in ,

Conselheiro do São Paulo vê Flamengo como exemplo a seguir

Olten Ayres de Abreu Júnior colocou o Flamengo como exemplo a ser seguido e fala em ‘medidas extraordinárias’ contra crise

Conselheiro vitalício do São Paulo, Olten de Abreu celebrou uma mudança importante no São Paulo e deixou claro que o clube precisará agir de forma extrema para lidar com a pandemia do coronavírus.

Em entrevista ao jornalista Jorge Nicola, o conselheiro, que também é membro e advogado da Comissão de Acompanhamento da Execução Orçamentária da instituição tricolor, festejou que esteja proibido que conselheiros exerçam funções remuneradas no clube. Ele é um dos principais articuladores da medida.

+ Veja quem ão os cinco membros que viviam tal situação optaram por abrir mão de seus cargos no Conselho Deliberativo e se manterão apenas como funcionários do clube

“Esse movimento começou com uma reunião na minha casa… Foi lá que decidimos apresentar a emenda ao estatuto para que fosse excluída a possibilidade de conselheiro ser remunerado no clube”, disse.

Olten deixou claro que Flamengo, hoje, é o modelo a ser seguido em termos de finanças. Vale lembrar que o São Paulo fechou 2019 com um déficit de R$ 180 milhões.

“Precisamos fazer como o Flamengo destes últimos anos. É preciso ter primeiro o equilíbrio financeiro para depois partir para investimentos maiores em contratações. Precisamos melhorar nossa condição financeira”, avaliou.

Por fim, o conselheiro são-paulino disse que o clube precisa saber lidar financeiramente com a pandemia de coronavírus, uma vez que as competições estão paralisadas e sem data para serem retomadas/iniciadas.

“O São Paulo vai precisar de medidas extraordinárias, corte de despesas de salários… Quem não fizer isso pode ter uma situação de sofrimento por muitos anos”, afirmou o conselheiro, que completou:

“Até o Barcelona cortou 70% dos salários dos atletas. Tenho certeza de que os jogadores do São Paulo vão responder de maneira importante e responsável, em nome do equilíbrio.”

O São Paulo decidiu cortar 50% dos salários dos atletas, mas a medida não teve unanimidade entre o elenco, com uns apoiando e outros discordando. 

Foto: Terceiro tempo/ UOL

O que achou?

Escrito por Rodrigo Alcântara