in

Três técnicos na mira Tricolor

Muito se especula sobre quem será o novo técnico do São Paulo. Com isso, pipocam listas e listas; no entanto, o que apurei, é que no momento, com o euro próximo dos R$ 7,00, o que afasta o sonho de um treinador da Europa, a nova diretoria estabeleceu conversas com três conhecidos do mercado sul-americano: Diego Aguirre, Miguel Ángel Ramírez e Guilhermo Schelotto.

Pode-se dizer que, hoje, configurariam dentre os mais próximos de um acerto, no entanto, contratação de técnico envolve muitas variáveis de acordo com as mudanças do mercado, empresários oferecendo e oportunidades que surgem de última hora.

AGUIRRE

Diego Aguirre, 55 anos, está livre no mercado depois de rescindir, em novembro de 2020, o contrato com o Al RAyyan, do Catar, em novembro de 2020. Aguirre comandou o São Paulo em 2018, chegando a liderar por oito rodadas a equipe no Brasileirão, até enfrentar problemas nos vestiários, consequente queda de rendimento, o que levou à demissão na reta final do campeonato.

O uruguaio conta com o apoio da torcida Tricolor, pois conseguiu liderar o Brasileirão com uma equipe muito inferior ao elenco atual. Além da posição na tabela, em sua passagem, conseguiu resolver um problema permanente, que era o de uma equipe sem alma, indiferente às derrotas e até mesmo às vitórias.

Com elenco com muitas limitações técnicas, armou o São Paulo de forma mais convencional e assim “arrancou” boas posições com base na raça e no comprometimento.

Pesam a favor de Aguirre o fato de ter sido jogador do São Paulo, é um técnico considerado “cascudo”, conhece bem a Libertadores da América e, sobretudo, o ambiente conturbado e tenso do São Paulo, que não vence um título há 8 anos.

Suas conquistas como técnico são:

Peñarol: Campeonato Uruguaio: 2003, 2009–10.

Al-Rayyan: Copa do Emir de Qatar: 2013, Copa Príncipe da Coroa do Catar: 2012 e Copa Sheik Jassem: 2012, 2013.

Internacional: Campeonato Gaúcho 2015

Atlético Mineiro: Florida Cup 2016

Vale menção o vice-campeonato da Libertadores em 2011, quando perdeu a final para o Santos.

MIGUEL ÁNGEL RAMÍREZ

Com apenas 36 anos é o técnico objeto de desejo entre os principais clubes sul-americanos. Alcançou prestígio apresentando um futebol envolvente e ofensivo no equatoriano Independiente del Valle, que conquistou a Copa Sul-Americana 2019, aliás, único – mas não menos importante – título em seu currículo.

A diretoria do São Paulo tem preferência por Ángel Ramírez, mas o empecilho é um acordo verbal com Internacional de Porto Alegre, atual líder do Brasileirão, que após a saída de Coudet chamou o ídolo Abel Braga como tampão até a chegada da promessa espanhola.

O problema é que o veterano Abel tem o título do Brasileirão 2020 nas mãos e o Inter, com isso, agora também segura um problema: como demitir um ídolo que pode tirar o Colorado de uma fila de 41 anos?

O São Paulo, que ainda sonha com o título, mesmo com as remotas possibilidades, aguarda o desenrolar do Brasileiro para ver definida a posição entre Inter e Àngel.

O que pesa contra o espanhol é a pouca experiência e não conhecer a realidade do futebol brasileiro. Ademais, comandar o São Paulo, que vive um turbilhão futebol e político, não permite margens para jovens treinadores.

GUILHERMO SCHELOTTO

O São Paulo “entrevistou” (novo termo da moda) o argentino Schelotto, que está sem clube desde sua saída do americano LA Galaxy. Não tão jovem quanto Ángel, aos 47 anos, apareceu no radar tricolor por já ter treinado o Boca Juniors e conquistado dois títulos nas temporadas 2016-17 e 2017-18.

Antes, em 2013, conseguiu a proeza de conquistar a Copa Sul-Americana 2013 comandando o Lanús.

Pesa a favor conhecer bem o futebol sul-americano, ainda mais com o São Paulo acumulando vexames na Libertadores e na Copa Sul-Americana. Em contrapartida, não conhece a realidade do futebol e calendário brasileiro. É outro nome que suscita a dúvida se teria estofo para aguentar a pressão Tricolor.

O que achou?

Escrito por Ricardo Flaitt