São-paulino em Itaquera? Nestor cresceu em reduto do Corinthians antes de virar herói no São Paulo

Nasceu na Cohab II, em Itaquera, cercado de torcedores do rival, mas garante que é torcedor do Tricolor “desde molequinho”

Reduto de torcedores do Corinthians, o bairro de Itaquera é casa também de um jogador que entrou para a história do São Paulo em 2023: Rodrigo Nestor, autor do gol do título da Copa do Brasil.

Neste domingo, ele volta ao bairro onde morou até os 11 anos para o clássico Majestoso, às 16h, na Neo Química Arena, pela nona rodada do Campeonato Brasileiro.

– Mesmo nascendo em Itaquera, eu sou muito são-paulino. Lá tem bastante corintiano mesmo, mas eu sou são-paulino desde molequinho – disse o camisa 11.

Nestor cresceu no Conjunto Habitacional José Bonifácio, conhecido como Cohab II, na região de Itaquera, e começou sua trajetória numa escolinha de futsal chamada Olaria, aos seis anos.

De lá, partiu para o tradicional Juventus da Mooca, onde jogou até os 12. Quando estava na categoria sub-11, foi premiado como o melhor jogador do ano de 2011 pela Federação Paulista de Futsal.

E foi com um título contra o Corinthians que o garoto chamou a atenção de um olheiro, que pouco depois levou o garoto para testes no São Paulo. Aos 11, a família foi morar na cidade de Itupeva por uma oportunidade de emprego do pai, mas Nestor seguiu com treinos no Juventus e no São Paulo, ainda em fase de avaliação. Até que, aos 12, ele foi chamado para treinar e morar no CFA de Cotia.

Aos 23 anos, ele já tem dez anos de Tricolor, com várias conquistas na base, participação no título do Paulistão de 2021 e protagonismo na conquista da Copa do Brasil. Neste ano, recuperava-se de lesão, mas viajou com o elenco para Belo Horizonte para celebrar a conquista da Supercopa do Brasil.

Com Zubeldía, entrou na equipe titular e voltou a ocupar a faixa esquerda do campo, com fazia com Dorival Júnior. Foi titular nos últimos quatro jogos, contra Águia de Marabá, Talleres, Cruzeiro e Internacional. Com 193 jogos, está perto da marca de 200 partidas pelo Tricolor.

– Cheguei com 12 anos na base e não imaginava que seria assim. Está sendo muito perfeito. Eu já falei essa frase diversas vezes, mas vou falar de novo porque eu acho que é algo bonito: o que vem acontecendo comigo, o que aconteceu comigo, é algo que nem quando você vai orar você pede para Deus, porque é demais, é muito perfeito. Você fica até com vergonha de pedir. Vir da base e tirar o time da fila conquistando um título inédito. Espero fazer 300, 400 jogos, é meu sonho – disse.


Foto: Paulo Pinto (saopaulofc) / Arquivo pessoal
Fonte: Globo Esporte

Não perca nada sobre nosso São Paulo FC!
Siga o SPFC Notícias em nossas redes sociais: Instagram Twitter (X) Facebook | Threads | Whatsapp

Leave your vote

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.