Raí: “Se algumas manchas na minha imagem de ídolo acontecerem, tudo bem”

Ídolo do Tricolor, Raí aceitou o convite de Leco para ser dirigente do São Paulo em 2017. De lá pra cá, já passou por muitas críticas e momentos conturbados no comando do futebol

Raí, ídolo incontestável do São Paulo por tudo que fez no clube no passado, aceitou, em 2017, assumir a diretoria de futebol do Tricolor a convite de Leco. 

De lá para cá, Raí convive diariamente com críticas por usa postura e decisões no comando do futebol.

Em entrevista ao Estadão, o dirigente comentou o fato de ser considerado um dos ídolos da primeira prateleira do clube comando um cargo tão importante no São Paulo e admitiu que sabia do risco que corria ao aceitar esse desafio. 

Um dos grandes aprendizados meus foi tirar a capa de ídolo e me expor como dirigente. Está sendo, além da contribuição que eu estou dando, um grande desafio. Mas eu acho que a carreira que construí não tem como ser destruída. Posso ser momentaneamente questionado pela paixão que o futebol suscita, mas eu percebo hoje que isso só vai me engrandecer como pessoa. E se algumas manchas na minha imagem de ídolo acontecerem, tudo bem. É uma decisão que tem um impacto grande na vida cotidiano“, disse.

Raí também comentou uma declaração do também ídolo e ex-técnico do Tricolor, Muricy Ramalho em que ele diz que o São Paulo “se acomodou”. 

O Muricy tinha razão, mas há muito tempo o São Paulo já vem buscando o caminho certo. Fomos campeões da Libertadores, do mundo… Enquanto isso todos os outros clubes estavam trabalhando. Tem uma tendência de acomodação depois de um sucessão de vitórias. Mas o São Paulo já passou faz bastante tempo dessa fase“, disse. 

Na tentativa de mudar a estrutura do clube e ter um novo rumo no futebol, o São Paulo estuda a possibilidade de virar clube-empresa. Em agosto, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), visitou o CT do São Paulo para conversar sobre o projeto de lei sobre o tema.