in ,

Portimonense consulta Lucas Fernandes para continuar em Portugal

O meia do São Paulo que veio de Cotia, está emprestado para o clube português, vem fazendo boas atuações e se destacando

Lucas Fernandes foi emprestado para o Portimonense, de Portugal na temporada passada. Antes de mudar de clube, o garoto confessou uma conversa com o então técnico do São Paulo, Diego Aguirre. 

“Mais ou menos no último dia da janela de transferências de agosto do ano passado, tive uma conversa com (Diego) Aguirre (então técnico do São Paulo), não estava sendo utilizado. Ele foi muito franco, abriu o jogo comigo e disse que, se conseguisse algo legal para mim, poderia ir. O Téo, então abriu, as portas aqui”, disse em entrevista  ao UOL Esporte. 

E completou: “No fim das contas, está sendo muito importante para mim porque tenho jogado, vim em busca disso, pegar mais rodagem e experiência. E tudo isso num clube com diversos brasileiros tanto no elenco como na diretoria”. 

O meia, que é cria da base do Tricolor e tem contrato até o meio do ano, recuou um pouco mais em campo no atual time, atuando como segundo volante. Desta forma, o ex-são-paulino vem agradando, tanto que o Portimonense já o consultou para que ele continue em Portugal. 

O jogador de 21 anos soma 27 partidas disputadas pelo clube português até o momento. 

Sobre a mudança definitiva para Portugal, Lucas Fernandes prefere esperar, mas diz que se o São Paulo tem interesse em continuar com ele, até agora não falaram nada. 

“É preciso esperar acabar o campeonato, fazer esses três jogos que faltam para manter o Portimonense na primeira divisão e ver o que será resolvido. Ainda não tenho certeza do que acontecerá. Deixo nas mãos das diretorias. O pessoal do Portimonense falou comigo que querem me manter, perguntaram se eu gostaria e agora temos que ver com o São Paulo […] Essa é uma decisão complicada, envolve muitos fatores, mas tem dois lados: por um deles, todo garoto de Cotia sonha em atuar no profissional do São Paulo e ganhar títulos importantes, enquanto que, por outro, a oportunidade de jogar na Europa não é para qualquer um”, acrescenta. 

E finaliza: “Ao longo de todo esse tempo que estou aqui, ninguém do São Paulo me procurou ou conversou comigo. Se me monitoram, deve ser à distância, mesmo”. 

Foto:  Miguel Riopa/AFP

O que achou?

Escrito por Natália Milreu