in ,

Pato pede bom senso em conversa sobre a redução salarial

Atacante pediu bom senso na conversa do clube com os jogadores sobre a redução salarial que terá que ser feita por conta da pandemia do coranavírus

Em entrevista para o “Resenha ESPN”, Pato foi questionado sobre as negociações da redução salarial do elenco durante a pandemia de coronavírus. 

“Eu acho que esse é um momento que ninguém esperava, que ia parar o futebol, que ia chegar o vírus, aconteceu tudo de repente, estava acontecendo na China, foi para a Europa e aconteceu com o futebol brasileiro. A gente tem que entender o contexto do que está acontecendo, que não é só no futebol com esses cortes de salário, mas também em outros trabalhos. Então nós temos que prezar também pelo bem estar de todos e entender o lado do clube, mas o clube também entender a parte do jogador“, disse. 

E completou: “Acho que se todo mundo chegar a um tipo de ideia clara para todos, todo mundo vai andar para o mesmo caminho para tudo dar certo e todo mundo andar abraçado para fazer o melhor possível não só para o clube, mas para as pessoas que precisam daquele trabalho, funcionários que estão lá há tempos. Então vejo que todo mundo está no mesmo percurso.”

O São Paulo já tomou a decisão, só falta comunicar o grupo todo. O São Paulo irá reduzir os salários, porque sem ganhar receita com o futebol parado, entende que é a melhor alternativa para encarar este período de pandemia. A diretoria considera que não está fazendo uma imposição aos atletas, mas sim mostrando que não há outro jeito de passar por isso. 

A decisão que não foi aceita pela maior parte do elenco, é a seguinte: suspensão de 50% dos salários de março, abril, maio e junho (se a crise persistir até lá) e congelamento dos direitos de imagem. Todos os valores que ficarem pendentes serão pagos após a normalização, de forma parcelada. Para quem ganha menos de R$ 100 mil, o valor mínimo mensal a ser pago durante a crise será de R$ 50 mil. Quem recebe abaixo disso não será afetado. 

Para Pato, é preciso pensar que nem todos os jogadores têm a mesma condição de vida e dependendo do corte salarial, a situação de alguns pode ser prejudicada. Por isso, o atacante pensa que a melhor forma de encontrar um caminho em comum é a conversa. A ideia do elenco é que o corte seja menor do que os 50% apresentado pelo clube. 

“Todos vão achar a melhor maneira de conversar, não é só no São Paulo que está acontecendo, mas tem que ter o bom senso de todos os jogadores e bom senso dos clubes entenderem que tem atletas que talvez ganhem um tipo de salário e tem atletas que não ganham o mesmo tipo de salário. Acho que tem que ter o bom senso de todos, o atleta entender a condição do clube, entender a condição do mundo hoje, mas também o clube entender alguns tipos de jogadores. Tem tudo para dar certo, todos os jogadores e clubes andarem de mãos dadas e fazer o melhor possível“, concluiu. 

Foto: Reprodução TV
Fonte: UOL Esporte

O que achou?

Escrito por Natália Milreu