in ,

Metas para a temporada de 2021 são conservadoras

Metas para a temporada de 2021 são conservadoras - Foto: Twitter saopaulofc

Por motivos financeiros, as metas que a diretoria estipulou para a temporada de 2021 são bem conservadoras

O São Paulo adotou uma postura conservadora ao estabelecer suas metas para os torneios de 2021: de acordo com sua proposta orçamentária para a temporada, o Tricolor deve chegar, no mínimo, à semifinal do Paulista, às oitavas de final da Libertadores, às quartas de final da Copa do Brasil e ao sexto lugar do Brasileirão. O motivo para isso é financeiro, e não técnico.

As definições não são tratadas como metas esportivas pelo departamento de futebol na gestão de Julio Casares —essas são mais ousadas. Elas servem para evitar problemas de planejamento: como as premiações pagas pelas entidades esportivas entram no orçamento, mas variam pela colocação final nos torneios, se o São Paulo propusesse metas ousadas (como o título do Brasileirão) e não alcançasse esse objetivo, receberia menos do que esperava ao final do ano. Assim, correria o risco de faltar dinheiro para pagar contas.

LEIA MAIS
Copa Libertadores: São Paulo inscreve 50 jogadores na competição continental
Daniel Alves rebate matéria que o chamou de “velho”
Sem Igor Vinícius contra o Sporting Cristal, Daniel Alves deve continuar na lateral

Segundo o UOL Esporte essas metas estabelecidas pela diretoria têm como intuito manter um perfil conservador na busca por receitas. Os dirigentes temiam que uma peça orçamentária mais otimista pudesse mascarar a arrecadação prevista e permitir gastos não condizentes com a realidade do clube, que tem situação financeira delicada. 

A proposta orçamentária do São Paulo para a atual temporada prevê receita de R$ 460,7 milhões, sendo R$ 176 milhões em vendas de atletas, e despesas de R$ 448,2 milhões, com superávit líquido de R$ 12,5 milhões. Há uma estimativa de redução do endividamento geral do clube em R$ 91,4 milhões e também a possibilidade de um caixa líquido de R$ 160 milhões. 

A postura conservadora tem origem nas pendências herdadas pela atual administração. A dívida do São Paulo até dezembro do ano passado, último mês da gestão de Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco, era de R$ 580 milhões. O presidente Julio Casares conversa com credores a fim de sanear as finanças do clube. A ideia é equacionar a dívida e pagar ao menos 30% dela até o fim do mandato, em dezembro de 2023. 

Foto: saopaulofc.net
Fonte: UOL Esporte

O que achou?

Escrito por Natália Milreu