in ,

Jogo suspenso: atletas do São Paulo insatisfeitos e preocupação com exposição ao Covid-19

Jogadores ficaram incomodados com a maneira como a situação foi conduzida, com a indefinição até momentos antes do jogo

O episódio do adiamento do jogo entre São Paulo e Goiás, no último domingo, no estádio da Serrinha, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro, teve reações no Tricolor.

Jogadores do São Paulo ficaram insatisfeitos porque queriam atuar, depois de toda a preparação para a partida com treinamentos, viagem e concentração. Também incomodou a maneira como a situação foi conduzida, com a indefinição até momentos antes do jogo.

Eles souberam da decisão da CBF de adiar o jogo quando estavam uniformizados dentro de campo, às 16h, horário inicialmente previsto para a partida acontecer. 

O episódio de domingo preocupa o São Paulo pela exposição a uma situação como essa, ao risco de seus profissionais em relação à Covid-19 e pela maneira como os outros clubes podem estar conduzindo os protocolos de saúde, em comparação ao procedimento feito pelo Tricolor.

O clube teve quatro casos de jogadores infectados durante a quarentena, sendo três assintomáticos.

Para encarar o Goiás, por exemplo, o São Paulo fretou um voo só para a delegação e hospedou os jogadores em quartos individuais. Nenhuma das cerca de 40 pessoas que viajaram testaram positivo para Covid-19. A decisão de fretar o voo se deu por alguns aspectos:

  • Saúde: o voo fretado é melhor para o isolamento social do que um voo comum;
  • Financeiro: com o tráfego aéreo menor de voos normais, os custos para fretar uma aeronave é reduzido neste momento;
  • Preparação e logística: se optasse por uma viagem comum, o São Paulo teria que viajar na sexta-feira e só teria voo de volta na segunda-feira à tarde. Isso aumentaria o tempo de exposição longe da capital paulista e tornaria mais desgastante a preparação para a partida. Com o voo fretado, a delegação viajou no sábado e retornou no domingo à noite.

Foto: Reprodução TV
Fonte: Globoesporte.com

O que achou?

Escrito por Natália Milreu