in ,

Globo e Turner brigam pelos direitos de transmissão do Brasileirão

Globo entrou com uma ação judicial para impedir a Turner de transmitir os jogos dos clubes cujos direitos são da emissora carioca

Antes do inicio do Brasileirão, a emissora carioca entrou com uma ação judicial para impedir que a Turner transmita os jogos dos clube cujos direitos de arena pertencem à Globo, entendendo que a Medida Provisória 984 não pode retroagir e alterar contratos já estabelecidos antes de sua assinatura.

Porém, a Justiça do Rio de Janeiro negou esta liminar e a Turner pode transmitir os jogos dos times que tem contrato com a Globo quando estes visitarem as equipes com contrato com o grupo norte-americano. A briga judicial seguiu com novos capítulos nesta quarta-feira (12), com o tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) concedendo liminar favorável à Globo, impedindo a Turner de transmitir os jogos com base na MP 984.

A Turner planejava transmitir um jogo do Flamengo, que tem contrato com a Globo, que será contra o Coritiba, time que assinou com a Turner. Partidas de Vasco, Fluminense e São Paulo também eram esperadas na programação da TNT até a décima rodada. A nova decisão judicial, contudo, determinou que os contratos assinados antes da MP 984 devem ser respeitados.

A “MP do Flamengo”, assinada pelo presidente Jair Bolsonaro em junho, mudou a forma como diversos times e grupos de comunicação entendem os direitos de transmissão das partidas no Brasil. Segundo o documento, tais direitos agora pertencem ao clube mandante.

Com isso, a Turner entende que pode transmitir todas as partidas dos mandantes que têm contrato com o grupo. São eles: Palmeiras, Santos, Bahia, Internacional, Athletico, Coritiba, Ceará e Fortaleza.

A Globo, por sua vez, entende que nos contratos que firmou com as outras equipes, a emissora adquiriu a exclusividade dos direitos da transmissão das partidas delas no Brasileirão. Assim, a Globo entende que os contratos devem ser respeitados.

Foto: Divulgação
Por: Goal.com

O que achou?

Escrito por Natália Milreu