in ,

Fernando Diniz acha difícil Igor Gomes permanecer no São Paulo

Em entrevista para a a rádio “Transamérica”, o treinador do Tricolor elogiou o meia são-paulino e ressaltou que acha difícil a permanência do jovem por muito tempo no Brasil

Na entrevista para a rádio “Transamérica”, Diniz igor gomes, tricolor, são pauencheu a bola de Igor Gomes. O jornal “AS”, da Espanha, noticiou que o Real Madrid está de olho no jogador do São Paulo. Vale lembrar, no entanto, que não há nenhuma proposta ou negociação em andamento pelo meia.

Ao ser perguntado de forma genérica se é difícil a permanência do meia por muito tempo no Brasil, o técnico disse:

“Acho que é difícil permanecer por conta da idade e qualidade que tem. Os clubes, e o São Paulo não escapa disso, quase nenhum escapa, precisam vender jogadores para poder honrar os compromissos financeiros. Chega em determinado momento, com o tamanho da proposta, o clube se vê quase na obrigação de vender. Enquanto tivermos esse modelo que aí está, sem entrar em detalhes porque não sou a pessoa mais indicada a falar de detalhes de como futebol brasileiro é gerido, vamos continuar sendo fornecedor de matéria-prima. E ele é uma grande matéria-pria”, afirmou. 

E completou: “Pela evolução que está tendo, é um jogador numa curva exponencial de crescimento. Joga cada vez melhor, é identificado com clube e com a maneira que o time joga hoje. A maneira dele se relacionar com a vida aproxima muito daquilo que penso. Foi quase instantânea a melhora dele depois que eu cheguei. Há uma tendência muito clara de o Igor jogar cada vez melhor. Com a idade que está vai ser sempre difícil o time segurar. Se for falar o que eu quero é que pudesse permanecer o maior tempo possível. É um jogador de qualidade muito rara no futebol brasileiro, quiçá mundial, e da maneira que jogo é muito importante.”

Igor está com 21 anos e tem contrato com o Tricolor até 2023, recentemente ele recebeu um aumento salarial, pois se tornou uma das peças importantes da equipe de Diniz. 

Foto: Rubens Chiri
Fonte: Globoesporte.com

O que achou?

Escrito por Natália Milreu