in ,

Dirigente revela negociação de Gabriel Novas e novo reforço para o Tricolor

O acordo entre os clubes, praticamente fechado antes da paralisação do futebol causada pela pandemia do Covid-19, agora está parado. A conclusão do negócio será avaliada na volta da normalidade do dia a dia.

O coordenador das categorias de base do São Paulo, Pedro Smania em entrevista para o Globoesporte.com revelou que o acordo entre os clubes estava quase fechado antes da paralisação do futebol.  Agora, a conclusão do negócio será avaliada na volta da normalidade do dia a dia.

“Estava praticamente fechado. Não estava 100%, mas estava 99% com todas as partes resolvidas. E aí acabou acontecendo tudo isso. Nesse momento, por exemplo, estou de férias. Voltamos no dia 4 e precisa retomar essas ações, ver se vai dar para continuar. Preciso ouvir deles como vão ficar as questões financeiras, porque o clube foi atingido. A Chapecoense também”, disse. 

E completou: “Na verdade, todos os cenários de negociações mudam. As negociações que não foram concretizadas vão ser modificadas. O que não foi fechado vamos ter que entender. Vou ter de ouvir do (Alexandre) Pássaro (gerente executivo de futebol) como estava o último pé, ouvir do profissional da Chapecoense também o que pensam nesse momento. Não sabemos se a Chapecoense ainda vai querer o Gabriel Novaes, se vai ter competição. Teremos futebol em 2020 ainda? Se não tiver futebol em 2020 não é mais motivo de negociar nada.”

Pedro Smania contou que o interesse por Tiago Coser é antigo.

“É um menino que vimos há um ano e meio ou dois numa partida aqui no CFA (CT de Cotia). Ele jogou numa categoria acima. Chamou nossa atenção, do treinador da categoria, o Menta. Ele falou comigo. Eu estava na arquibancada. Já havia chamado minha atenção. Percebemos que era mais novo do que os demais. Tentamos trazer. A Chapecoense passou por uma série de mudanças, então quando andava alguma coisa tinha mudanças”, disse. 

Foto: saopaulofc.net
Fonte: Globoesporte.com

O que achou?

Escrito por Natália Milreu