Dilma “pode fazer” Ponte e São Paulo jogarem às 11h

Para evitar conflito em massa no domingo à tarde, PM sugere que partida aconteça às 11h, em Campinas

Os protestos previstos para domingo contra a presidente Dilma, podem provocar mais uma mudança na tabela da 10º rodada do Paulistão. Assim como Palmeiras x XV de Piracicaba, o jogo entre Ponte Preta e São Paulo pode ser às 11h.

O pedido da PM para a Federação Paulista de Futebol antecipar o horário foi feito nesta terça-feira pelo comandante do 1º Batalhão de Ações Especiais da Polícia Militar de Campinas, Nelson Vicente Coelho é para evitar conflito em massa no domingo. Até a resposta da FPF, a partida segue marcada para as 16h, no Majestoso, em Campinas.

– Consideramos mais seguro que o jogo aconteça às 11h para não coincidir com a demanda de necessidade da Polícia. Com a possibilidade de movimentações sociais, a demanda poderá ocorrer a qualquer hora, em qualquer lugar – afirmou o comandante Coelho, que, apesar da solicitação, garante ter condições de realização do jogo às 16h em caso de negativa da FPF.

+MICHEL BASTOS FALA SOBRE DIVIDA DO CLUBE COM OS JOGADORES

A principal preocupação dos órgãos públicos é justamente com a segurança. Com a Polícia Militar voltada para o protesto, que promete tomar grandes proporções e é previsto para outras grandes centros do país.

O encontro entre Ponte e São Paulo é considerado de alto risco pelo histórico de violência entre as torcidas. A rivalidade foi acirrada em 2005, quando o torcedor da Ponte Preta Anderson Ferreira Tomás, o “Conde”, foi morto a pauladas por são-paulinos ao lado do estádio Moisés Lucarelli – o jogo entre as duas equipes pelo Brasileirão aconteceria no dia seguinte.

Em 2013, as divergências voltaram à tona com a polêmica entre as diretorias sobre o local do segundo jogo da semifinal da Sul-Americana. O São Paulo usou uma situação do regulamento para tirar o mando da Ponte do Majestoso e levá-lo para Mogi Mirim. Na atual temporada, as duas torcidas já protagonizaram uma briga em Campinas, pouco antes da estreia da Macaca contra a Portuguesa. A confusão foi em um supermercado próximo ao Majestoso e deixou 38 detidos.

Por conta do cenário, a Polícia Militar reserva um efetivo de aproximadamente 300 homens para fazer a segurança da partida. Para acompanhar as manifestações, a PM também prepara um policiamento intenso nas ruas, com o reforço de diversos batalhões. O principal protesto previsto em Campinas conta com 24 mil pessoas confirmadas pelas redes sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *