in , ,

Denílson conta sua ida a Inglaterra e que ainda quer voltar a jogar

Revelado pelo São Paulo, o volante Denilson, 32, não esperava, mas teve um começo de carreira ‘meteórico’

Em 2005, o jogador foi promovido ao time profissional do tricolor, e logo chamou a atenção do Arsenal, da Inglaterra. Em uma ‘live’ no Instagram, o jogador falou sobre a sua trajetória no esporte.

“Quando comecei a caminhar no mundo da bola só queria jogar, só queria correr atrás da bola. Não pensava que queria jogar em tal clube. Mas foi maravilhoso”, afirmou. “Lembro que treinava, estudava, ia para escola e depois seguia para o Morumbi treinar. Foi uma caminhada longa, mas que valeu a pena”.

Logo após aterrizar em Londres, a surpresa foi grande. Denílson revelou o sentimento ao se deparar com três grandes personagens do Arsenal:

“Quando cheguei no clube o Wenger, o Gilberto [Silva] e o Henry me receberam. Quando olhei para eles: ‘É mentira que estou aqui’. É uma situação que você não imagina. Ver esses caras jogando na televisão, os invencíveis. Jogava videogame com ele e quando se depara frente à frente é demais. Era uma outra estrutura, outro tipo de nível. É outro mundo. A perna tremeu”, disse.

Denílson ficou por cinco anos no Arsenal e teve a chance de ver de perto a metodologia do treinador francês ser aplicada na rotina dos atletas.

“Arsène Wenger não gostava de comprar estrela. Ele fazia a estrela no clube. É o melhor treinador que já passou pelo Arsenal”, revelou. “Não via Arsène Wenger ultrapassado. Só tenho que falar bem. Ele apostou e acreditou no meu trabalho. Me chamava direto na sala para saber como eu estava. Ele sabia que eu estava sozinho. Como pessoa e como profissional foi o melhor treinador que já tive”.

Depois de cinco anos no futebol inglês, retornou para o seu clube formador. Na segunda passagem, conquistou a Copa Sul-Americana (2012).

Atualmente o jogador está sem clube, mas vem treinando para manter a forma física, pois ainda deseja jogar por mais uns cinco anos.

FOTO: Divulgação

O que achou?

Escrito por Rodrigo Alcântara