04/02/2023

Como é a bolha sanitária sugerida para a volta dos jogos do Paulistão?

Presidente da FPF. Foto: AGIF

A Federação Paulista e os 16 times do campeonato elaboraram um plano para tentar a volta das partidas em São Paulo

A Federação Paulista de futebol segue tentando autorização para que o Governo de São Paulo libere a realização de jogos de futebol no estado. Juntos aos 16 times do Paulistão, a FPF elaborou uma proposta para apresentar ao Ministério Público, que envolve o sistema de “bolha”.

O Paulistão, por conta das medidas do Plano São Paulo para controle da pandemia de Covid-19, está paralisado desde o dia 15 de março. A Federação, porém, não aceita que a competição estadual esteja suspensa e segue em busca de alternativas.

Depois de levar alguns jogos para fora de São Paulo, a FPF elaborou um plano, junto aos 16 times participantes da competição, para que o Paulistão seja retomado no estado, de forma segura e aprovada pelo MP.

O principal argumento do documento é a criação de uma “bolha”, como aconteceu em outras competições, como a reta final da Liga dos Campeões e na NBA. A proposta é manter todos os atletas do Paulistão em um “ambiente controlado”, onde os riscos são monitorados e minimizados.

Este local pode ser um hotel, Centro de Treinamento ou qualquer lugar que concentre os jogadores de forma segura. Todos que quiserem entrar devem passar por um teste de Covid-19 24 horas antes.

Dentro dessa bolha, todos devem ser testados regularmente e, em caso de resultado positivo, o infectado deverá ser afastado imediatamente do convívio dos demais. Estes protocolos são válidos para todos que estiverem concentrados juntos – atletas, comissão técnica, médicos, cartolas, entre outros -, que devem estar em um número reduzido.

Leia também: 
Veja a média de idade do elenco do São Paulo pra temporada
Denis é o goleiro que mais pegou pênaltis no “Portuguesão”
Conmebol tem prejuízo de R$ 239 milhões com rescisões da Globo e DAZN

Confira os tópicos do plano da FPF:

  • Para se manter o conceito de segurança no futebol, no atual momento, deverá haver um “endurecimento” do protocolo anterior, com as seguintes providências de conduta que, sob o ponto de vista médico, devem ser tomadas como necessidades mínimas para continuidade do Campeonato Paulista durante a Fase Emergencial:
  • Manter os atletas em “Ambiente Controlado” (“Bolha like”), entendido como local onde os riscos são monitorados e minimizados.
  • Reforçar e seguir rigorosamente todos os itens do protocolo já definidos na edição anterior;
  • Todos que tiverem que entrar na concentração deverão ser testados nas 24 horas antecedentes;
  • Os atletas, comissão técnica, assim como todos os que estiverem na concentração, devem ser submetidos regularmente aos testes de RT-PCR antes e depois de cada partida, com intervalo máximo de 3 dias entre os testes;
  • Na eventualidade de se ter um teste RT-PCR positivo, além do atleta ser imediatamente afastado; deverá ser orientado o rastreamento de contato, conforme o relato do atleta, para identificar outras possíveis contaminações;
  • Os colaboradores que se deslocarem para suas casas (estafe dos clubes) deverão ser testados diariamente com RT-PCR;
  • Diariamente, todos os colaboradores deverão ter a aferição da temperatura e serem submetidos ao questionário epidemiológico, que será controlado pelo Departamento Médico do clube;
  • Reforçar as orientações do protocolo anterior, para evitar acúmulo de pessoas em determinados ambientes fechados como, Fisioterapia, Academia, Restaurante, Laboratório, vestiários…
  • Reduzir o número de colaboradores e concentrar os que puderem permanecer;
  • Na cozinha, deverá haver fiscalização rigorosa com monitoramento e reforço constante do treinamento dos colaboradores, de acordo com as normas da Associação de Bares e Restaurantes;
  • Em relação à limpeza, a equipe deverá ser treinada e orientada para higienização reforçada, além de manter cheios os reservatórios em locais estratégicos com álcool gel.;
  • Toda e qualquer entrega de embalagem externa deverá ser higienizada com o álcool 70o antes de entrar na concentração;
  • O médico do clube mandante deverá informar ao Comitê Médico da FPF sobre a existência de vagas hospitalares e disponibilidade de leitos de UTI em hospital da cidade, para eventual caso de emergência médica durante a partida. No caso de jogos em outras cidades, o Departamento de Competições da FPF comunicará o Comitê Médico da FPF.

Foto: AGIF

Leave your vote

Log In

Forgot password?

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.