in ,

Clubes discutem propostas alternativas durante paralisação do futebol

Dirigentes de todo país estão preocupados com a geração de receitas e pagamentos de compromissos com os atletas durante a paralisação do futebol

Uma reunião online foi o ponto de partida de representantes de clubes para levantar propostas alternativas de menor impacto possível no momento de paralisação do futebol. A escalada de casos do novo coronavírus e as previsões de crescimento de casos até pelo menos junho deixam dirigentes de todo país preocupados com a geração de receitas e pagamentos de compromissos com os atletas.

A conversa reuniu representantes da Comissão Nacional de Clubes. Na Série A, são Fluminense, Atlético-MG, Grêmio, Palmeiras e Bahia. Na B, Avaí e Paraná, com Oeste como suplente. Advogado da área trabalhista, o presidente do Fluminense, Mário Bittencourt, enviou as propostas para a Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (FENAPAF) e para outros sindicatos de atletas profissionais.

Os clubes querem negociar com os sindicatos e chegar a acordo com os atletas para homologar acordo coletivo na Justiça do Trabalho.

Confira as propostas:

Proposta sobre férias – conceder imediatamente a todos os atletas o gozo de 30 (trinta) dias de férias coletivas com início em 23.03 e término em 21.04, antecipando qualquer período de férias proporcionais que os atletas venham a adquirir durante o restante de 2020, em qualquer clube que venha a jogar ainda em 2020. Todavia apesar de antecipar para agora os 30 dias de gozo, o pagamento das férias seria diferido, sendo 50% do valor agora, a ser pago pelo atual empregador e os outros 50%, com o 1/3 integral, a ser pago até 31.12.2020.
Se o atleta trocar de clube antes de 31.12.2020, o novo clube ficará responsável pelo pagamento dos 50% restante, bem como de 50% do 1/3, cabendo ao Clube atual quando da rescisão pagar sua parte dos 50% do 1/3.
Dessa forma, haveria uma uniformização do calendário e o gozo de férias do atleta por determinado clube afastaria o direito ao gozo por eventual novo empregador, vez que todos os dias de férias de 2020 serão antecipados.

Férias de final de ano de 24/12 a 02/01/2021.

  • Após férias coletivas não sendo possível volta campeonatos, redução da remuneração (CLT e imagem) em 50% por 30 dias, com treinamento em casa.
  • Após 30 dias de redução da remuneração mantendo a impossibilidade de competir, suspensão do contrato de trabalho até que se retomem as atividades, com a prorrogação dos prazos dos contratos pelo período de suspensão.
  • parcelamento das rescisões em até 5 vezes.
    * contratos que se encerrem neste período serão prorrogados até a data final dos estaduais.

As propostas devem englobar as quatro séries nacionais do futebol brasileiro e servir também para os clubes pequenos estaduais, que vivem situação mais dramática sem a finalização dos estaduais e com série de contratos por encerrar até o fim de maio. Nesta sexta-feira, o GloboEsporte.com noticiou que a Procuradoria da Fazenda suspendeu a cobrança de dívidas com a União por 90 dias, medida que beneficia imediatamente os clubes.

Além das propostas iniciais, os sindicatos discutem com a CBF a possibilidade de abertura de linha de crédito para pagamento de salários em clubes pequenos, que mais vão sofrer neste momento. Por enquanto, a ideia foi apenas levantada, sem novidades.

Uma nova reunião está marcada para os próximos dias. Os jogadores foram informados das propostas neste fim da semana e vão tirar dúvidas com advogados ao longo dos próximos dias.

Foto: Acervo/JC Imagem
Fonte: Globoesporte.com

O que achou?

Escrito por Natália Milreu