Clubes de SP fecham acordo para cortar até 25% de salários de funcionários

São Paulo, Corinthians e Palmeiras fazem parte da convenção, que não se aplica a jogadores profissionais de futebol

O sindicato dos clubes de São Paulo e as entidades sindicais de funcionários e de profissionais de educação física acertaram uma convenção na qual concordam em reduzir até 25% o salário dos trabalhadores em meio à pandemia do Covid-19 em troca de não realizar demissões.

O aditamento às convenções coletivas foi assinado pelo Sindi Clube (patronal dos clubes), Sindesporte (sindicato dos funcionários de clubes), Sinpefesp (educadores físicos de São Paulo) e Fepefi (nacional dos educadores físicos). Pelo acordo, em clubes em que há paralisação dos trabalhos, os os salários podem ser reduzidos em até 25%, desde que dentro de um limite de R$ 1.045, valor do salário mínimo.

“O acordo levou em conta, principalmente, a queda das receitas nos clubes em decorrência do isolamento social imposto pela pandemia do Covid-19, tendo como objetivo preservar os empregos nas agremiações”, explicou o presidente do Sindi Clube, Paulo Movizzo.

Também ficou acertada a possibilidade de concessão de férias coletivas e individuais, de antecipação do gozo de férias e compensação de horas. Os clubes, em troca, se comprometem a alterar horários de entrada e saída de funcionários para evitar aglomeração em transporte público e a garantirem os empregos durante a vigência do aditivo, até 30 de junho.

FOTO