in ,

Ceni: “Sonho em ganhar uma Libertadores no São Paulo como treinador”

Antes do confronto contra o São Paulo, neste domingo, o M1to falou sobre o carinho pelo Tricolor, se irá comemorar gol do Fortaleza e muito mais

Neste domingo, pela primeira Ceni estará como adversário do São Paulo. Sensação estranha para a maiotia dos são-paulinos, já que ele é um ídolo do clube.  Porém, durante os 90 minutos, ele terá que deixar de lado todo o carinho que temos por ele, e nós, só focarmos no nosso São Paulo e o quanto os três pontos fora de casa são valiosos, já que empatamos no último domingo, no Morumbi. 

Em entrevista para o Globoesporte, o M1to falou sobre a sensação de enfrentar o ex-clube, se irá comemorar gol do Fortaleza, o carinho que tem pelo Tricolor e muito mais. Veja abaixo: 

Dentre todas as declarações de amor que o M1to fez nessa entrevista, vale destacar duas

“Meu carinho pelo São Paulo é eterno, eu adoro o São Paulo, é o clube que me revelou para o futebol e me deu tudo. E eu entreguei tudo de volta. Acho que a relação foi intensa dos dois lados.”

“Meu sonho agora é ganhar uma Libertadores no São Paulo também como treinador. Mesmo que demore mais de uma década, se eu ainda estiver trabalhando, que pelo menos eu possa tentar realizar.”

SENSAÇÃO DE SER ADVERSÁRIO DO SÃO PAULO

É inerente à profissão que escolhi. Algum dia iria acontecer. É um privilégio ter jogado tanto tempo no São Paulo e ter a chance de enfrentá-lo na Série A, num início de carreira como técnico. E é sempre especial receber o carinho do torcedor. É claro que eles torcerão pelo São Paulo, mas tenho certeza que com um carinho especial e boas lembranças. Eu deixei tudo que podia lá, fiz meu melhor, e agora recebo também o carinho do torcedor do Fortaleza. Estou há um ano e meio aqui com conquistas e chegando a finais, o torcedor é muito alegre e apaixonado. Acho que será uma grande festa. Eu espero sair vencedor, assim como o São Paulo. É uma equipe bem superior em estrutura, em quase tudo. Dessa vez terei que trabalhar contra esse favoritismo.

COMEMORAR GOL DO FORTALEZA

Minha identificação com o torcedor do São Paulo, com o clube, foi justamente pelo meu comportamento, por eu ser um cara que vivia e sentia no sangue cada gol, cada lance, cada defesa. Não posso mudar meu jeito de ser, esse sou eu. Durante aqueles 90 minutos tenho que fazer o melhor pelo Fortaleza, é minha obrigação profissional.

Isso (comemorar um gol) não me afasta do torcedor são-paulino, pelo contrário, ele terá a certeza de que vivi aquilo de forma verdadeira. Ele me conhece, sabe como eu sou. Eu luto pelo melhor. Agora lutarei por outro tricolor.

É POSSÍVEL TER A RELAÇÃO COM O TORCEDOR DO FORTALEZA IGUAL FOI COM A DO SÃO PAULO? 

Eu procuro viver da mesma maneira que fiz no São Paulo. Não é simplesmente meu emprego. Eu faço meu melhor todos os dias e aqui há necessidade em todas as áreas. O Fortaleza passou muito tempo na Série C, sem cota de televisão, é preciso melhorar campos, fisioterapia, parte de musculação, aparelhagem. No São Paulo, você se preocupa menos com o entorno e pode se concentrar mais. Mas eu me sinto bem aqui, cara, converso bastante com o presidente e tenho liberdade para opinar, sugerir. Eles nem sempre têm condição de entregar, mas escutam, tentam. Eu tenho liberdade na montagem de treinamentos, na contratação de jogadores. É natural até pelo momento que vive o Fortaleza.

FALA COM O PRESIDENTE LECO?

Nunca mais, não há necessidade. Isso (a demissão) faz parte. Ele preside o clube e continua lá até hoje. Vai acabar o mandato e seguir a vida. Eu sou extremamente feliz onde trabalho, tenho carinho pela instituição (São Paulo), pelo torcedor, pela história.

MUDANÇA DE TÉCNICOS E ELENCO CONSTANTE, COMO VOCÊ VÊ ISSO NO SÃO PAULO? 

Isso é uma coisa assustadora até no futebol brasileiro. Em menos de dois anos, um elenco inteiro foi trocado. Mais de 28 atletas que não existem mais, desapareceram. Nem o Fortaleza, que tem suas limitações, teve uma troca tão grande de um ano para o outro.

A BASE DO SÃO PAULO. 

O Antony será a revelação do Campeonato Brasileiro, não tenho dúvida alguma, enquanto o grande jogador talvez seja o Everton, do Grêmio.

Tem o Liziero, o Luan é muito bom jogador, gosto muito do Igor Gomes. É incrível como o São Paulo consegue produzir. Em 2017 puxamos toda uma nova safra e já foi praticamente todo mundo embora.

SÃO PAULO BRIGA PELO TÍTULO DO BRASILEIRO? 
O TORCEDOR DO SÃO PAULO TEM A CERTEZA QUE VOLTA UM DIA PARA O TRICOLOR, VOCÊ TAMBÉM TEM? 

Certeza eu não tenho, mas seria um prazer muito grande. Quando eu fui campeão da Libertadores e mundial em 1993, na reserva, tive o sonho de ser novamente, jogando. Demorei 12 anos para realizar.

Foto: Divulgação

O que achou?

Escrito por Natália Milreu