in

Torcedor pisa no gramado do Morumbi e se emociona

O torcedor Erik Migliorini, 27 anos e residente da cidade de Barueri, comprou seu pacote pelo Passaporte FC para realizar um grande sonho: jogar no estádio do Morumbi. O torcedor iria atuar na ponta esquerda com a camisa 11, esta que hoje é usada por Alexandre Pato.

Porém, uma lesão no pé direito adiou o sonho do torcedor que devido sua lesão, não pôde jogar. “Infelizmente não deu para eu jogar, pois me machuquei uma semana antes, mas só de poder participar de todo ambiente que um jogador vive”.

Mas por outro lado, Erik foi privilegiado ao ser convidado a dar o pontapé inicial do jogo festivo que tinha como técnicos Dario Pereyra e Macedo, campeões pelo Tricolor. “O pontapé inicial da partida foi dado por mim e assisti os 30 minutos de jogo do banco de reservas, meu time perdeu de 3×1, mas o resultado é o de menos”.

O uruguaio foi campeão brasileiro em 1977 e 1986, além dos paulistas de 1980/81/ 85 e 87. Por outro lado, Macedo teve o prazer de ser campeão da Libertadores de 1992.

Ao conversar com Erik e perguntar como foi a sensação de fazer parte do projeto criado pelo Passaporte Fc junto ao São Paulo FC, o torcedor se emocionou ao explicar o que sentiu.

IMG-20141122-WA0001 IMG-20141122-WA0002

Confira o relato completo do torcedor:

– No dia 22/11 tive o privilégio e a honra de pisar no sagrado gramado do Estádio do Morumbi, um evento destinado aos torcedores. Infelizmente não deu para eu jogar, pois me machuquei uma semana antes, mas só de poder participar de todo ambiente que um jogador vive, tivemos preleção com dois ídolos do passado, Darío Pereyra e Macedo, este técnico do meu time, entramos em campo, com direito a hino nacional, e arbitragem de Alfedo Loeblin.

O pontapé inicial da partida foi dado por mim e assisti os 30 minutos de jogo do banco de reservas, meu time perdeu de 3×1, mas o resultado é o de menos. Depois do jogo fomos para a sala de imprensa onde cada jogador teve a oportunidade de relatar a experiência daquele momento, que sem duvidas é emocionante. Tinha gente do mato grosso, e até da Venezuela. sem dúvidas ano que vem estarei lá e vou completar o sonho de bater uma bola naquele estádio. Sao minutos de um sonho realizado, que quase todos quando criança sonhamos em nos tornar um jogador profissional, acho que todos os clubes deveriam proporcionar isso aos seus torcedores. É incrível. Uma sensação que vai ficar guardada na memoria para sempre.

O que achou?

Escrito por Rodrigo Alcântara