in

SPFC 1×0 COR: Vitória para virar a chave

Equipe de Rogério Ceni entrou com fome de bola

Beirando a zona da degola e com seis empates acumulados nas últimas rodadas, o São Paulo entrou em campo contra o Corinthians sob muita pressão. E a solução foi justamente botar pressão na partida. Entrou pilhado, com fome e marcou o adversário no campo inteiro, o tempo todo.

O Tricolor que entrou com Volpi, Arboleda, Léo, Reinaldo e Orejuela; no meio, Liziero, Igor Gomes, Sara e Benítez; no ataque, Luciano e Calleri.

A intensidade deu resultado. Logo aos dois minutos, Luciano recebeu no meio da zaga e colocou para dentro, mas o gol foi anulado por um impedimento milimétrico do VAR.

O São Paulo seguiu abafando o Corinthians, tanto que logo aos 6/1T, Reinaldo partiu na esquerda, cruzou, Calleri antecipou à defesa corinthiana e meteu para dentro. 1 a 0 num ritmo alucinante do Tricolor.

Mesmo com a vantagem no placar, o São Paulo não tirou o pé: marcava pressão, roubava a bola, articulou, triangulou, chegou ao ataque. Por outro lado, o Corinthians não conseguia jogar. A única chance aconteceu aos 30/1T, quando Renato Augusto enfiou uma bolaça para Giuliano no meio da zaga Tricolor, Volpi saiu e evitou o que seria o gol de empate.

Na segunda etapa, depois de intensos 45 minutos, Rogério Ceni voltou com o uruguaio Gabriel no lugar de Benítez. E o uruguaio entrou muito bem. Reforçou o sistema de marcação no meio, deu bons passe e não se intimidou com o Majestoso. Em pouco tempo, mostrou personalidade e bola.

O São Paulo seguiu mantendo a intensidade do primeiro tempo. O Corinthians seguiu sem conseguir jogar, ainda assim conseguiu assustar em dois lances. No mais, só deu Tricolor.

A partir dos 30 minutos, o São Paulo começou a amarrar a partida, porque, considerando a sua situação na tabela, uma vitória depois de seis empates e o peso que tem um Majestoso, com isso, povoou o meio-campo, recuou e assumiu que a vitória por um seria goleada.

Com exceção de Orejuela, que não comprometeu (até salvou uma possibilidade gol), também não contribuiu, ficou fixado na ala direita, o time inteiro jogou muita bola, todos correram o tempo todo, brigaram; mas há que se fazer um destaque: Arboleda. Ganhou todas as bolas, todas as jogadas, foi um monstro na defesa e tivesse um pouco de cacoete de atacante teria feito um gol.

Igor Gomes também fez uma bela partida. Movimentou-se o tempo todo, ora puxando o contra-ataque pelo meio, ora recebendo pela direita, ora recebendo pela esquerda, dá uma movimentação espetacular no meio.

O Tricolor, nos últimos minutos, olhou para o cronômetro e deu aquela segurada. Vitória importantíssima. A equipe do Morumbi soma três pontos, chega aos 34 pontos, na 12ª posição na tabela, afasta-se com seis pontos da zona da degola e pode até começar a sonhar com uma vaguinha na Liberta, mas tem uma tabela duríssima pela frente.

Foto: Rubens Chiri

O que achou?

Escrito por Ricardo Flaitt