São Paulo quer explorar a fragilidade alheia

Tricolor teve treino com repetição de bolas alçadas na parte ofensiva

Nas atividades feitas ontem pelo São Paulo no CCT da Barra Funda, houveram dois períodos distintos. Enquanto os primeiros 30 minutos de treino foram fechados para a imprensa, o restante do tempo pôde ser acompanhado livremente pelos jornalistas.

Apesar de não se saber exatamente o que foi feito nos “minutos secretos”, o que se viu no período permitido pela comissão técnica são-paulina foi uma insistência nas bolas aéreas de ataque, algo que o rival vem tendo muitos problemas. Esse tipo de jogada é atualmente a principal fonte de gols sofridos do adversário de amanhã a noite.

+ O sofrimento da adaptação para Centurión

Trabalhando com um sistema de ponta fixo, que sempre recebe a bola pela mesma região e não tem necessidade de se deslocar pelo meio, os jogadores do São Paulo eram forçados a mandar a bola dentro da área para quem vem de trás cabecear. Boschilia e Reinaldo foram aqueles com o maior índice de acerto.

Apesar de sua boa condição técnica nos dribles, a bola alçada na área principalmente com a perna que não é tão boa (esquerda) foi um problema para o argentino Centurión. Entretanto, quando recebeu os cruzamentos dos companheiros, ele se mostrou com boa impulsão e posicionamento.

Vale lembrar que os gols que possibilitaram a chance de uma vitória simples do São Paulo diante do SCCP para classificar o tricolor vieram justamente pelo alto, com as cabeçadas de Pato (fora da partida de amanhã) e Centurión.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *