in

Rodrigo Caio diz realizar um sonho, mas faz juras ao Tricolor

O garoto que começou na base tricolor, diz que não é um adeus e sim, um até logo

Rodrigo Caio foi vendido para o Valencia, da Espanha, na manhã desta sexta-feira, sendo a terceira maior negociação da história do São Paulo. O jovem, formado no CT Laudo Natel, em Cotia, diz que é um sonho jogar no velho continente, mas que vai levar o Tricolor no coração.

– Estou muito feliz, porque vou realizar um sonho. É o fruto do meu trabalho e dedicação. O São Paulo foi muito importante para mim e passei por grandes momentos aqui. Conquistei muitos objetivos neste período e, hoje, levo o clube no meu coração. Tudo o que vivi aqui ficará marcado para sempre na minha vida, porque devo muito ao São Paulo – disse.

+ CONFIRA OS RELACIONADOS PARA A PARTIDA CONTRA A CHAPECOENSE

Desde os 11 anos no SPFC, o Rodrigo Caio disputou 127 jogos pela equipe principal -sendo 106 como titular- e fez cinco gols. Ano passado, ele foi eleito o melhor jogador do Torneio de Toulon, com a seleção brasileira sub-21.

– Aprendi muito aqui. Passei por diferentes momentos, com vitórias e superação, mas sempre mantive o empenho. Tive a oportunidade de mostrar o meu futebol e, hoje, posso falar com orgulho que sempre superei todas as adversidades. Dei a volta por cima nas lesões e, graças aos profissionais do São Paulo, consegui ser feliz no clube. Tudo isso está marcado, sem dúvida, e mesmo de longe estarei na torcida pelo título do Campeonato Brasileiro.

Rodrigo Caio afirma que espera voltar ao clube depois de seu caminho pela Europa.

– Não é um adeus, mas sim um até logo, porque espero voltar um dia. Tenho muitos amigos aqui, desde a base aos funcionários do CT da Barra Funda. A torcida sempre me apoiou e demonstrou carinho comigo. Só posso agradecer por cada momento e ensinamento que tive no São Paulo, porque jamais vou esquecer esta camisa.

Polivalente, Caio já foi utilizado como lateral-direito e volante, mas foi como zagueiro que seu futebol cresceu muito de rendimento.

O que achou?

Escrito por Rodrigo Alcântara