Home > Destaques > Rai: “Quero passar os outros (clubes) em gestão”

Rai: “Quero passar os outros (clubes) em gestão”

Em entrevista para o Seleção SporTV, Rai falou sobre o seu trabalho no Tricolor, o porque escolheram Aguirre e sobre o momento do clube

O ídolo do São Paulo e agora dirigente de futebol do clube, participou do quadro “1 x 1” do Seleção SporTV, com entrevista a Cleber Machado, nesta terça-feira.

Rai falou sobre diversos assuntos, entre eles o seu trabalho no Tricolor (ao lado dos também ex-jogadores Ricardo Rocha e Diego Lugano), sobre as mudanças recentes no comando técnico e sobre o momento conturbado do clube, que lutou para não cair no Brasileirão do ano passado e fez só a quinta melhor campanha na primeira fase do Campeonato Paulista.

Veja abaixo a entrevista completa:

O TRABALHO DE DIRIGENTE

É claro que a responsabilidade do dirigente é maior, você divide com elenco, clube, política. Para assumir uma responsabilidade como dirigente, tem que estar com mais experiência. É isso que estou fazendo aqui: reunião com gestores, nutrição, fisiologia, cada um traçando metas.

O São Paulo sempre foi pioneiro, o que mudou? O que pudemos melhorar? Eu não tenho conhecimento para avaliar nutrição, fisiologia, mas eles têm e podem ajudar a trazer pessoas, avaliar melhor. A missão que eu dei foi: o que vocês precisam para transformar a sua área na melhor possível, em referência?

RELAÇÃO COM RICARDO ROCHA E LUGANO 

Quando eu parei de jogar, cheguei para o (José Augusto) Bastos Neto (ex-presidente do São Paulo) e falei: gostaria que vocês investissem na minha formação para eu fazer uma carreira aqui como gestor. Por que eu citei isso? Porque o Lugano está tendo o que eu imaginava que poderia ser um caminho para mim. Eu escolhi o Ricardo, você conhece. O preparador físico, Pedro, exemplo prático, que está há mais de 10 anos no São Paulo. Está vindo o Aguirre, que tem preparador. Falei: “Pedro, olha, você vai trabalhar com o Aguirre, quero que vocês interajam. Mas quero investir em vocês. Quero que me fale o que fará de especialização, de estágio nos próximos dois anos”.

SÃO PAULO SEM TÍTULOS E ABAIXO NA GESTÃO

Estamos reavaliando tudo. O que tem que ser colocado é o porquê dessas temporadas. A estrutura é maravilhosa, mas vira em competição. A estrutura está melhor? Está abaixo? Podemos passar os outros? É isso que quero, passar os outros em gestão, tecnologia, para também estar à frente no campo depois.

DECISÃO DE TRAZER AGUIRRE

É alguém em quem acreditamos porque busca atualização contínua, é agregador e, ao mesmo tempo, cobra. Nos times em que passou, colocou um padrão de jogo interessante. Saiu do inter na semifinal da Libertadores, chegou às quartas da Libertadores (com o Atlético-MG), conquistou títulos no Uruguai… E conhece o futebol brasileiro e traz ideias de fora. É uma decisão calculada.

CONVITE DA SELEÇÃO URUGUAIA PARA O TREINADOR

Depois da Copa, com certeza, o Aguirre não vai embora. É um cara super-atualizado, com métodos de treinamento interessantes, agregador, sabe mexer com o grupo. Eu o conheci lá atrás e o acompanhei de longe. Mas, além da unanimidade entre nós, buscamos referências com quem trabalhou com ele e foram as melhores, de um cara top. E estava livre no mercado.

COBRANÇA NO ELENCO

O São Paulo tem um grupo qualificado, que pode e vai melhorar. Sabemos que faltam peças, mas cheguei no fim da temporada, não dá tempo de fazer gestão de elenco. Temos carências e estamos de olho no mercado, mas temos condições de brigar no Paulista. Obviamente, depende da resposta deles. É um grupo em quem confio, falei isso para eles, que tem qualidade e bom número para a temporada toda. Mas vamos cobrar ao máximo. Agora, a bola está com eles.

Foto: reprodução