in

Por briga com rivais, justiça proíbe Independente de ir aos estádios

A Justiça de São Paulo proibiu a Torcida Independente de frequentar estádios por um período de 120 dias

Nos próximos quatro meses, ninguém poderá adentrar em praças esportivas para assistir a jogos de futebol trajando camisas ou quaisquer outras peças de roupa com o nome ou símbolos da torcida. Bandeiras da facção, com ou sem mastro, também estão vetadas.

Caso a ordem seja desrespeitada, a entidade terá que pagar uma multa de R$ 30 mil. Além disso, o ex-presidente da Independente Luis Claudio Lacerda está pessoalmente proibido de entrar no estádio, com a roupa que for.

+ BOSCHILIA E LUCÃO LIBERADOS PELA CBF

De acordo com o promotor Roberto Senise Lisboa, incorreram em atos de violência, conforme ele descreve em seu pedido à Justiça:

“É de conhecimento público e foi fartamente veiculado pela mídia escrita, audiovisual e eletrônica que membros da Torcida Organizada em questão participaram tumultos, pela prática de desinteligência consistentes em agressões físicas e trocas de insultos com terceiros, pessoas físicas, na Marginal Tietê, nesta Capital, após a partida Corinthians e São Paulo, realizada em 14 de outubro de 2013.

Conforme apurado, houve envolvimento da torcida organizada em questão em agressões e violência contra civis e pessoas de outra torcida organizada.”

Os advogados da Torcida Independente argumentaram no processo, afirmando que o Ministério Público não trazia nenhuma prova de que a briga citada envolvia, de fato, membros da Independente. “Com todo respeito, o dia em que pessoas ou associações forem condenadas somente por matérias veiculadas na mídia é melhor acabar com o devido processo legal”, chegou a criticar o advogado da entidade.

Mas fato é que a Justiça concordou com o Ministério Público. No último dia 7, o juiz Marcelo Barbosa Sacramone acatou o pedido do promotor e, nesta seguynda-feira, o Diário Oficial da Justiça de São Paulo publica a decisão que proíbe a Independente de entrar nos estádios por quatro meses.

O que achou?

Escrito por Rodrigo Alcântara