in , ,

Na lista de negociáveis, Pablo foi artilheiro do São Paulo em dois anos

Pablo pode ser titular nesta terça. (Foto: Divulgação)

Pablo está na lista de possíveis negociáveis do Tricolor e não deve ter espaço na próxima temporada

Desde 2019 no Tricolor, o camisa 9 levará consigo a marca de ter sido artilheiro do time em dois dos três anos que esteve no Morumbi. Na atual temporada, Pablo balançou as redes 13 vezes, duas a mais do que Rigoni, o segundo maior goleador do São Paulo no ano. Apesar de ostentar a liderança, o segundo semestre do camisa 9 foi abaixo do esperado.

Pablo terminou o Brasileirão com apenas três gols e perdeu espaço com o treinador Hernán Crespo e, na sequência, com Rogério Ceni. Na janela de transferências do meio do ano, o São Paulo não mediu esforços para contratar um centroavante que pudesse alavancar o desempenho do setor ofensivo.

Jonathan Calleri acabou chegando no último dia da janela e terminou o Brasileirão com quatro gols, um a mais do que Pablo. A tendência é que ele mantenha a titularidade na próxima temporada. No mercado da bola, o São Paulo ainda tenta a contratação de Wesley Moraes, que pertence ao Aston Villa, da Inglaterra. O jogador de 25 anos pode atuar tanto como centroavante como aberto pelas pontas.

Pablo chegou ao clube em 2019 com o peso de ter sido a maior contratação da história do São Paulo. O time do Morumbi desembolsou 6 milhões de euros (R$ 29 milhões na cotação da época) para tirar o jogador do Athletico. A expectativa é que ele fosse o homem-gol são-paulino.

Em sua primeira temporada, Pablo também terminou como artilheiro. Naquela ocasião, o São Paulo fez apenas 56 gols no ano inteiro (no atual foram 110 gols) e sete foram feitos pelo camisa 9, um a mais do que Antony, Reinaldo e Vitor Bueno.

No ano passado, Pablo foi o terceiro jogador com mais gols com a camisa do São Paulo. Ele fez 12 em 53 partidas, ficando atrás do artilheiro Brenner, com 22 gols em 44 jogos, e Luciano, com 21 gols em 38 partidas.

Por: Brunno Carvalho/ UOL
Foto: Divulgação

O que achou?

Escrito por Rodrigo Alcântara