Home > Destaques > Os motivos do afastamento de Cícero

Os motivos do afastamento de Cícero

Em sua primeira passagem, em 2012, Cícero foi barraco pelo então técnico Ney Franco e rescindiu o seu contrato, hoje, a história é quase a mesma

Segundo o site Globo Esporte, o afastamento de Cícero no São Paulo já vinha sendo discutido internamente, antes da contratação do atual técnico, Dorival Júnior, que assim que chegou no clube já foi comunicado logo de cara que o meia estava na berlinda.

A decisão que foi tomada na última terça-feira pela diretoria teve dois motivos, o primeiro, a falta de comprometimento do jogador com a situação delicada que vive o clube no Brasileirão. A falta de interesse em melhorar nos treinamentos irritou a direção que entendeu que o meia estava sendo prejudicial ao restante do grupo.

O segundo motivo foi o comportamento do atleta diante da condição de reserva. Reagindo de forma exagerada quando não era utilizado nos jogos, Cícero irritou ainda mais a diretoria com a sua manifestação ao ficar na reserva.

Desde quarta-feira o atleta está treinando separadamente dos demais. As últimas partidas que fez pelo São Paulo foi quando entrou no segundo tempo da vitória por 1 a 0 sobre o Vasco e no empate por 1 a 1 com o Grêmio, ambas no Morumbi.

Por já ter feito dez jogos com a camisa do Tricolor no Campeonato Brasileiro, ele não pode assinar com nenhum clube da série. Para continuar jogando em 2017, ou vai para um clube da Série B ou busca uma transferência para um time do exterior, já que a janela de transferências de saída no final do mês.

A assessoria do atleta divulgou uma nota oficial onde ele nega qualquer problema de relacionamento. “Em todos os clubes que defendi, sempre trabalhei da forma mais profissional possível e nunca tive histórico de problemas de relacionamento. Ao longo dos anos, construí uma carreira séria com conquistas e gostaria que isso fosse respeitado”, afirmou.

Uma coisa é certa, não precisamos de jogadores que não se empenhem nos treinos e em campo para tirar o time dessa situação, e o que víamos nas partidas quando o Cícero jogava era vontade e raça 0.

Foto: Divulgação