Home > Destaques > Nostalgia Tricolor – Libertadores 1993

Nostalgia Tricolor – Libertadores 1993

No dia 23 de maio de 1993, a América novamente se pintou de vermelho, branco e preto, isso por que o tricolor se consagrava pela segunda vez o campeão da Libertadores

O São Paulo atropelou a Universidad Catolica do Chile no Morumbi por 5×1, perdeu lá por 2×1 e mesmo com a derrota, no resultado agregado, se tornou campeão da Libertadores da América pela segunda vez.

Após ter vencido o torneio continental em 1992, o tricolor entrou na edição seguinte nas oitavas de final, encarando nada mais, nada menos que o Newell’s Old Boys, time que na qual ganhamos a final de 1992.

Martino-Rai-1992_650x402

Diferentemente do ano anterior, onde ganhamos nos pênaltis, desta vez foi diferente. No dia 7 de abril fomos à Rosario e saímos derrotados pelo placar de 2×0. Para os argentinos, aí estava a vingança, e eles pensavam que a classificação já estavam nas mãos, porém, em um Morumbi lotado, uma semana depois, nós goleamos os argentinos por 4×0 e ficamos com a vaga. Gols de Raí (2), Cafu e Dinho.

QUARTAS DE FINAL

Nas quartas de final o Tricolor eliminou o Flamengo (que naquele mesmo ano enfrentaríamos novamente em uma das finais mais inesquecíveis do futebol, a Supercopa da Libertadores).

No Maracanã, o Flamengo se impôs, mas o tricolor foi o time que mais teve chances de sair vitorioso, porém, o resultado de 1×1 não foi tão ruim assim. Na partida de volta, o tricolor mostrou como era que se jogava em casa, e com tranquilidade venceu por 2×0, e se classificou novamente às semifinais da Libertadores.

0000008qw

SEMIFINAL

Depois de passar pelo campeão argentino e o campeão brasileiro, o tricolor teve de derrotar o campeão paraguaio para chegar a grande final. E não foi nada fácil.

Uma vitória simples no Morumbi e um empate sem gols no Paraguai (graças a Ronaldo Luís que salvou um gol em cima da linha), fez com que o time de Telê, eliminasse o Cerro Porteño e fosse finalista mais uma vez. O título era questão de tempo. Tempo esse, que a torcida não poderia esperar mais.

A GRANDE FINAL!

Universidad Católica do Chile, se classificou como vice-campeão chileno, mas no torneio continental, mostrou-se ser um time muito bom. Na fase de grupos, marcou 15 gols, o melhor ataque da competição, vencendo três partidas, empatando duas e perdendo apenas uma. Uma campanha muito boa.

Nas oitavas, despachou o Atlético Nacional de Medellín (2×0 e 1×2), nas quartas, o Barcelona do Equador (3×1 e 2×0), na semi, a vítima foi outro colombiano, o América de Cali (1×0 e 2×2), porém na final, não viu nem a cor da bola no Morumbi.

Nunca uma partida de final de Libertadores o resultado final foi tão elástico, como aquele 19 de maio de 1993. Com Lopez (contra) aos 30, Vitor aos 40, Gilmar aos 54, Raí aos 60 e Muller aos 65, o tricolor venceu por 5×1. Almada descontou para os chilenos aos 85, de pênalti. Fim de jogo, 5×1 para o tricolor paulista.

PRIMEIRO JOGO

Estádio do Morumbi – 19 de maio de 1993 (99 mil pagantes)

Saõ Paulo: Zetti, Vítor (Catê), Válber, Gilmar e Ronaldo Luiz (André); Pintado, Dinho, Raí e Palhinha; Cafu e Müller. Técnico: Telê Santana.

Universidad Católica: Wirth, Contreras, López (Barrera), Vázquez e Romero; Tupper, Lunari, Parraguez e Leppe; Almada e Perez (Reinoso). Técnico: Ignacio Prieto.

Os 99 mil torcedores que estiveram no Morumbi naquela noite, já festejaram ali o bi-campeonato continental.

Assista aos gols da partida e a série de defesas INCRÍVEIS que Zetti fez.

SEGUNDO JOGO

Estádio Nacional de Santiago – 26 de maio de 1993 (45 mil pagantes)

Na volta, em Santiago, todos sabiam: já não havia mais nada que o adversário pudesse fazer para impedir – trinta anos depois do feito do SFC de Pelé – um novo bi brasileiro campeão da Libertadores.

Mesmo com a vitória por 2×1, os chilenos ficaram com o vice-campeonato, enquanto o São Paulo era o dono da América pela segunda vez.

Universidad Católica: Wirth, Romero, Vázquez, Contreras (Cardozo) e Tupper (Reinoso); Parraguez, Leppe, Lunari e Perez; Almada e Barrera. Técnico: Ignácio Prietto.

São Paulo: Zetti, Vítor (Toninho Cerezo), Válber, Gilmar e Marcos Adriano; Pintado, Dinho, Raí e Palhinha; Cafu e Müller. Técnico: Telê Santana.

Campanha

Oitavas-de-Final

  • 07.04.1993 – 0 X 2 – Club Atlético NEWELL’S OLD BOYS (Argentina)
  • 14.04.1993 – 4 X 0 – Club Atlético NEWELL’S OLD BOYS (Argentina)

Quartas-de-Final

  • 21.04.1993 – 1 X 1 – Clube Regatas do FLAMENGO (RJ)
  • 28.04.1993 – 2 X 0 – Clube Regatas do FLAMENGO (RJ)

Semifinais

  • 05.05.1993 – 1 X 0 – Club CERRO PORTEÑO (Paraguai)
  • 12.05.1993 – 0 X 0 – Club CERRO PORTEÑO (Paraguai)

Finais

  • 19.05.1993 – 5 X 1 – Club Deportivo UNIVERSIDAD CATÓLICA (Chile)
  • 26.05.1993 – 0 X 2 – Club Deportivo UNIVERSIDAD CATÓLICA (Chile)

a1993-1.jpg

a1993-3.jpg

a1993-2.jpg

Jogadores

JOGADOR (NOME COMPLETO) P J V E D GM GS
Müller (Luiz Antônio Corrêa da Costa) AT 8 4 2 2 2 0
Pintado (Luís Carlos de Oliveira Preto) VL 8 4 2 2 0 0
Zetti (Armelino Donizete Quagliato) GL 8 4 2 2 0 6
Vítor (Claudemir Vítor) LD 8 4 2 2 1 0
Palhinha (Jorge Ferreira da Silva) AT 8 4 2 2 1 0
Dinho (Edi Wilson José dos Santos) VL 8 4 2 2 1 0
Válber (Válber Roel de Oliveira) ZG 8 4 2 2 0 0
Raí (Raí Souza Vieira de Oliveira) MC 7 4 2 1 4 0
Cafu (Marcos Evangelista de Moraes) LD 7 4 2 1 2 0
Gilmar (Gilmar Jorge dos Santos) ZG 6 3 2 1 1 0
Ronaldo Luís (Ronaldo Luiz Gonçalves) LE 6 4 2 0 0 0
Catê (Marcos Antônio Lemos Tozzi) AT 3 1 1 1 0 0
André Luiz (André Luiz Moreira) LE 3 2 0 1 0 0
Ronaldão (Ronaldo Rodrigues de Jesus) ZG 2 1 0 1 0 0
Adílson (Adílson José Pinto) ZG 1 0 0 1 0 0
Marcos Adriano (Marcos Adriano Goncalves de Barros) LE 1 0 0 1 0 0
Lula (Luiz Bonfim Marcos) ZG 1 1 0 0 0 0
Toninho Cerezo (Antônio Carlos Cerezo) MC 1 0 0 1 0 0

a1993-4.jpg

Todos os inscritos

1 Zetti (Armelino Donizete Quagliato) GL
2 Vítor (Claudemir Vítor) LD
3 Válber (Válber Roel de Oliveira) ZG
4 Ronaldão (Ronaldo Rodrigues de Jesus) ZG
5 Pintado (Luís Carlos de Oliveira Preto) VL
6 Ronaldo Luís (Ronaldo Luiz Gonçalves) LE
7 Müller (Luiz Antônio Corrêa da Costa) AT
8 Toninho Cerezo (Antônio Carlos Cerezo) MC
9 Palhinha (Jorge Ferreira da Silva) AT
10 Raí (Raí Souza Vieira de Oliveira) MC
11 Cafu (Marcos Evangelista de Moraes) LD
12 Gilberto (Gilberto Felix de Melo) GL
13 Lula (Luiz Bonfim Marcos) ZG
14 Adílson (Adílson José Pinto) ZG
15 Gilmar (Gilmar Jorge dos Santos) ZG
16 André Luiz (André Luiz Moreira) LE
17 Dinho (Edi Wilson José dos Santos) VL
18 Catê (Marcos Antônio Lemos Tozzi) AT
19 Vaguinho (Vágner dos Santos) MC
20 Rogério Ceni (Rogério Ceni) GL
21 Elivélton (Elivélton Alves Rufino) AT
22 Cláudio Moura (Cláudio Lúcio Camargo Moura) AT
23 Suélio (José Suélio da Silva Lacerda) VL
24 Marcos Adriano (Marcos Adriano Goncalves de Barros) LE
25 Jamelli (Paulo Roberto Jamelli Junior) AT

a1993-4b.jpgClassificação Final

C. CLUBE PT JG V E D GM GS SG AP
São Paulo FC (SP) 10 8 4 2 2 13 6 7 62,50%
CD Univ. Católica (CHL) 19 14 8 3 3 28 18 10 67,86%
CD América (COL) 16 13 6 4 3 26 22 4 61,54%
Club Cerro Porteño (PAR) 13 12 3 7 2 9 7 2 54,17%
CR Flamengo (RJ) 12 10 5 2 3 19 12 7 60,00%
Club Olimpia (PAR) 12 10 3 6 1 10 6 4 60,00%
C Sporting Cristal (PER) 10 10 4 2 4 21 17 4 50,00%
Barcelona SC (EQU) 7 10 3 1 6 13 13 0 35,00%
C Universitário D (PER) 11 8 4 3 1 16 11 5 68,75%
10º CDC Atl. Nacional (COL) 9 9 4 1 4 12 13 -1 50,00%
11º C Nacional de F (URU) 8 8 3 2 3 13 11 2 50,00%
12º Bolívar IU (BOL) 8 8 3 2 3 12 10 2 50,00%
13º CA Newell’s O. Boys (ARG) 8 8 2 4 2 6 8 -2 50,00%
14º CD El Nacional (EQU) 8 8 4 0 4 12 15 -3 50,00%
15º CD Cobreloa (CHL) 8 8 2 4 2 9 12 -3 50,00%
16º Minerven FC (VEN) 6 9 2 2 5 9 21 -12 33,33%
17º CA River Plate (ARG) 5 6 1 3 2 4 5 -1 41,67%
18º CA Bella Vista (URU) 5 6 2 1 3 6 11 -5 41,67%
19º Caracas FC (VEN) 4 7 1 2 4 5 11 -6 28,57%
20º SC Internacional (RS) 3 6 0 3 3 4 9 -5 25,00%
21º CD San José (BOL) 2 6 1 0 5 8 17 -9 6,00%

a1993-5.jpg

a1993-6.jpg

FOTO:
FONTE: