Home > Destaques > Esquema 3-5-2 é uma incógnita

Esquema 3-5-2 é uma incógnita

Mesmo com uma série de variações, base tática necessita de laterais com bom poder ofensivo

Olá amigos tricolores!

O técnico Diego Aguirre do São Paulo ensaiou no treinamento desta segunda-feira (2) um esquema 3-5-2, que pode ser utilizado para pegar o Atlético-PR na mal fadada Arena da Baixada em Curitiba. Segundo o site Globoesporte.com caso o esquema se confirme perderiam as vagas no time titular Petros e Marcos Guilherme.

A imprensa só pôde ver uma parte do trabalho. Portanto, é uma possibilidade a utilização do 3-5-2 e não uma certeza. Eu particularmente sou contra neste momento retornar ao esquema que se consagrou na década de 2000 no Tricolor com os títulos da Libertadores, Mundial e mais três Brasileiros.

Explico: existem variações do 3-5-2, mas, basicamente, para que ele funcione bem é necessária a presença de laterais ofensivos. De preferência com alguma habilidade no drible e essencialmente que consigam chegar ao fundo para cruzar. Várias vezes durante cada jogo. Na teoria, atenção, na teoria, no São Paulo de hoje estes laterais-alas seriam Régis e Jr Tavares…

Só que Régis chegou agora e ainda é uma incógnita. Tavares se recupera de uma contusão e não vai para Curitiba. Além disso, não goza de muito prestígio no Morumbi neste momento. Não vejo Reinaldo e Edimar de um lado e Bruno e Militão do outro fazendo um 3-5-2 funcionar no São Paulo… Lembrando que falei em teoria… Na prática, com as tais variações, pode dar certo, mas não vejo dessa maneira…

Não se trata também de pessimismo. Apenas uma análise tática que pode ser desmentida durante os 90 minutos. Destacando também que o time escalado por Aguirre no treinamento não tem nenhum lateral direito de ofício. Relembre: Sidão; Rodrigo Caio, Bruno Alves e Arboleda; Militão, Jucilei, Liziero, Reinaldo, Cueva, Nenê e Tréllez.

Significa concluir que pela direita ou vai um zagueiro ou um volante improvisado. Não gosto desse time sem lateral ou ala. Não gosto de improvisação. Uma coisa é, por exemplo, você pegar um Leonardo na década 90, craque, e colocar ele na meia, outra é nesse time atual improvisar alguém. Outro exemplo é o time multi-campeão na década de 2000.

Aquela equipe fantástica tinha Cicinho “voando” de um lado e Junior do outro. Depois Ilsinho na direita. Precisa comentar? Resta esperar a bola rolar no Paraná e, caso o 3-5-2 entre em campo, tomara que dê certo. O trabalho e a obrigação de fazer isso tudo funcionar são do técnico Diego Aguirre.

Twitter: @RafaCedrall

Foto: Renan Ranieri – saopaulofc.net