in , ,

Em noite de recorde no Morumbi, Tricolor vence o Ayacucho

Caio e Rigoni festejando gol. (Foto: Divulgação Twitter)

São Paulo vence time peruano no Morumbi por 1 a 0 pela última rodada da fase de grupos da CONMEBOL Sul-Americana

Em noite histórica para o São Paulo, que registrou o novo recorde de atletas vindos da base em uma mesma partida do time principal. Na noite desta quarta-feira (25), o Tricolor entrou em campo com dez jogadores #MadeInCotia entre os titulares.

Com gol de Caio (garoto revelado no CFA Laudo Natel e que jogou a Copinha deste ano), o Tricolor venceu o Ayacucho (PER) por 1 a 0, no Morumbi, pela rodada de encerramento do Grupo D da CONMEBOL Sul-Americana.

A marca registrada pelos jovens jogadores superou o duelo com o CSA (2 x 1), pelo Brasileirão de 2019, quando nove atletas formados em Cotia começaram a partida entre os titulares.

Com a vitória, o São Paulo encerrou a fase de grupos invicto na competição, foram 16 pontos conquistado, nas seis rodadas. Cinco vitórias, um empate, liderança da chave e classificado para as oitavas de final. Agora, o Tricolor aguardará o sorteio para conhecer o adversário no mata-mata.

Para encarar os peruanos, o técnico Rogério Ceni deu uma oportunidade para a garotada revelada no CFA Laudo Natel. Então, com os jovens estreantes Beraldo e Léo Silva, o treinador escalou o time com Thiago Couto; Beraldo, Miranda e Luizão; Léo Silva, Luan, Pablo Maia, Talles Costa e Caio; Toró e Juan.

Na volta para a etapa complementar, o treinador são-paulino promoveu duas alterações: Rigoni e o estreante Maioli, também formado em Cotia, entraram nos lugares de Léo Silva e Luan.

Mais tarde, Igor Vinícius herdou o lugar de Toró, e depois, mais um estreante do CFA, Palmberg, também reforçaram a equipe nos instantes finais, e o Tricolor soube administrar a vantagem para derrotar o Ayacucho e, assim, encerrar a fase de grupos da CONMEBOL Sul-Americana invicto, com cinco vitórias e apenas um empate em seis jogos.

No total, 12 atletas da base jogaram na partida desta noite.

O que achou?

Escrito por Rodrigo Alcântara