Cuca fala sobre lance do gol do adversário e empate no Morumbi

Após o empate no Morumbi, o treinador do Tricolor lamentou o resultado, o gol sofrido, a nova iluminação e evolução física

Cuca lamentou muito o empate do São Paulo para o Palmeiras, neste sábado, no Morumbi, pela décima rodada do Brasileirão. O Tricolor vencia a partida até os 25 minutos, quando Dudu chutou de dentro da área, a bola desviou em Reinaldo, encobriu Tiago Volpi e bateu na trave antes de desviar nas costas do goleiro e entrar. O Palmeiras segue na liderança, com 26 pontos, e o São Paulo no meio da tabela, com 15.

Para o treinador do São Paulo, o Palmeiras não merecia o gol, que ele chamou de “espírita”. Cuca também citou a iluminação do Morumbi, recém reformada para a disputa da Copa América, com uma das culpadas pelo lance.

Veja esse e outros prontos do jogo que o treinador falou na entrevista coletiva. 

SOBRE O GOL DO RIVAL

“O Palmeiras teve uma sorte incrível, um gol espírita. Acho que a iluminação atrapalhou o Volpi. Ele pegou umas ainda que impedido uma boa do Carlos Eduardo. Naquela bola ele foi atrapalhado e muda todo o jogo, bem na hora que o Toró estava para entrar e matar no contra-ataque. Lamentável. Não era o que a gente queria. Apesar do Palmeiras ter mais posse de bola no segundo tempo nós tivemos mais chance.”

EVOLUÇÃO FÍSICA

“No quesito físico nós evoluímos. Por conta do primeiro semestre ter voltado de um torneio nos EUA, jogadores na Seleção, no Sub-23 ficou complicado. Hoje acho que já tivemos uma condição melhor, mas ainda falta ritmo de jogo. É tão importante quanto o condicionamento. Sem dúvidas vamos melhorar. Hoje deu para ver o São Paulo forte e temos apenas que lamentar o resultado.”

SOBRE O JOGO

“Fazendo a análise do jogo. Assim, eu acho que é um pecado a gente não ter ganhado essa partida pelo que foi o primeiro tempo. Procuramos sair com bola no chão para quebrar a primeira linha do Palmeiras por parte do Tchê Tchê e Hernanes. Criamos bastante, saímos na frente, tivemos o controle. O Palmeiras teve uma chance com o Scarpa para o Volpi defender, mas tivemos o controle do jogo. Aí vem o segundo tempo, reúno os jogadores e falo que não podemos perder o controle do jogo e temos que matar o jogo. O Palmeiras tem uma bola parada boa. No primeiro tempo do jogo o Deyverson faz o arremate e o Volpi faz uma grande defesa. Em questão de minutos a gente teve a chance para matar. Teve uma outra com o Pato e tiveram duas ou três que você não chama seu time para defender. Na pelada quando você joga o adversário vai com tudo e abre chance. Quantos não tivemos? Várias.”

QUEDA NO SEGUNDO TEMPO

“É um jogo de duas grandes equipes, e com um minuto (do segundo tempo) eles criaram uma jogada. Isso mexe. Incentiva quem tá atrás e segura quem está na frente. Isso é normal. Pouco tempo depois, repito, tivemos a chance para matar o jogo e infelizmente não fizemos e fomos penalizados em um gol de muita sorte. O Raniel teve um começo promissor, mas caiu como toda a equipe. O Palmeiras retraiu e não conseguimos achar os espaços.”

EMPATE QUE PARECE DERROTA

“Um empate desse com sabor de derrota ele é muito dolorido. Isso dói mais neles e em mim do que em todo mundo aí. Temos que saber diferenciar um gol desse, se não acontece. Se não acontece o São Paulo estava sendo elogiado pelo que o São Paulo produziu. A gente tem que diferenciar o resultado do desempenho.”

SAÍDA DE BOLA

“Trabalhei muito a saída de bola. Quando você quebra essa linha o jogo abre para você. Colocamos em prática e quebramos a linha do Palmeiras. O contra-ataque se abriu para gente, mas não conseguimos o último passe.”

Foto: Reprodução TV
Fonte: Globoesporte.com