Com fome de bola, Dória se apresentou oficialmente no tricolor

Mostrando ansiedade em fazer sua estreia, Dória revela que deve se controlar para não prejudicar a equipe

A introdução oficial do zagueiro Dória a torcida tricolor aconteceu na manhã de hoje, em coletiva realizada no CCT da Barra Funda. O jogador vindo por empréstimo do Olympique de Marselha iniciou a cerimônia vestindo a camisa 26, que gera uma troca geral na numeração da equipe. Agora, Reinaldo usará o número 16 e o também lateral esquerdo Carlinhos será dono da n° 6.

Sendo um assunto inevitável, Dória falou em boa parte da sua coletiva sobre os problemas de relacionamento com o atual técnico do Olympique, o argentino Marcelo Bielsa:

“Pelo que fiquei sabendo, ele ficou chateado porque não foi consultado. Então acho que ele quis provar que não precisava me utilizar. Quem conversava mais comigo eram os auxiliares dele, ficavam constrangidos. E tentavam me passar o melhor”.

+ Tricolor aguarda Wesley

O jovem de 20 anos deu detalhes sobre o período difícil que passou na França: “Minha esposa me ajudou bastante. Tinha vez que eu chegava no treino muito pra baixo, triste, de estar jogando no time B. Mas a torcida pedia bastante, o presidente, até os jogadores queriam. As vezes eu pensava, desaprendi a jogar futebol, não é possível. Mas eu tinha de aturar, esperar”.

Após seguidas questões sobre o tema, Dória preferiu retomar o foco apenas em sua nova casa: “É bom, sim. Vou até ser grosso, mas não quero falar dele, como ele fazia lá. Pergunta pra ele, como ele mandava perguntar pro Dória lá”.

Perguntado sobre as diferenças entre a chegada ao time de Marselha e ao Soberano, o zagueiro frisou os distintos  ambientes de trabalho:

“Acho que aqui começa de outra forma. Na Europa, até mesmo o jogador que tem mais moral no clube, o tratamento era o mesmo. O pessoal não fica muito em cima, muito seco, estão lá para trabalhar. Vamos ganhar o jogo e acabou. Aqui já tem mais conversa, treinador interage mais, já começa de uma forma melhor pra mim. Já começa lá em cima”.

Por fim, o jogador comentou da sua expectativa em estrear: “Falei com minha família, tenho que me controlar para não ser expulso no primeiro jogo, pela euforia, vontade de jogar que estou. Estou trabalhando forte para tentar fazer uma boa estreia”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *