in ,

CBF tem lance do Choque-Rei, mas diz que qualidade da imagem é ruim

Calleri estava em posição duvidosa no momento do lançamento de Miranda — Foto: Reprodução

Apesar de máquina resetada, CBF guarda armazenados lances de VAR, mas justifica: “Formato do arquivo não permite padrão de qualidade e resolução do VAR”

O presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Wilson Seneme, disse que o computador no qual o VAR foi utilizado para o jogo entre Palmeiras e São Paulo, na Copa do Brasil, foi resetado pela empresa Hawk-Eye, fornecedora da tecnologia do VAR, por isso, não seria possível traçar a linha de possível impedimento de Calleri.

O procedimento de “reset” das máquinas é padrão, geralmente feito imediatamente antes da rodada posterior. No entanto, a CBF guarda armazenados os clipes do VAR deste lance e de todas as competições que organiza no futebol brasileiro.

Então por que mesmo com as imagens a CBF alega que não pode traçar as linhas? A entidade justifica a ausência do procedimento por falta de qualidade nas imagens exportadas.

Veja o que diz a CBF:

“Os clipes da partida foram enviados e ficam armazenados pela Comissão de Arbitragem da CBF para fins de análise e treinamento. Porém, o formato do arquivo retirado do sistema não permite que as linhas virtuais sejam traçadas no padrão de qualidade e resolução do VAR. Por isso, não há como reinserir as imagens no sistema do VAR e simular o procedimento que, pelo protocolo, é realizado durante o jogo.”

Como previsto em contrato entre fornecedoras de tecnologia do VAR, após a partida, a empresa (no caso da Série A, é a Hawk-Eye) envia todos lances de VAR para o seu cliente, a CBF, que, por protocolo, precisa repassar as imagens para IFAB e a Fifa – numa espécie de controle de qualidade do VAR. E assim foi feito.

O caso revoltou a diretoria do Palmeiras, que divulgou nota com críticas à Comissão de Arbitragem e à CBF. Os árbitros de vídeo Emerson de Almeida Ferreira e Marcus Vinicius Gomes, que trabalharam no Choque-Rei, foram retirados da escala da CBF para a 17ª rodada do Brasileirão e enviados ao Programa de Assistência ao Desempenho de Arbitragem (Pada).

Jogo polêmico

Ao divulgar o áudio do VAR no último sábado, a CBF admitiu que houve erro da cabine, que esqueceu de traçar a linha para verificar se Calleri estava impedido antes de sofrer o pênalti de Gustavo Gómez que foi marcado com auxílio da arbitragem de vídeo.

Dois dias depois, o Palmeiras solicitou oficialmente que fosse traçada a linha para saber se Calleri estava em condição legal. Porém, Seneme disse não ser viável atender ao pedido da diretoria do clube.

Fonte: Raphael Zarko / GE
Foto: Reprodução

O que achou?

Escrito por Rodrigo Alcântara