in ,

Calleri revela por que não canta música feita pela torcida

Atacante é o dono de uma das músicas mais marcantes que ecoam pelo Morumbi desde que o argentino chegou ao clube

Às vésperas de embarcar para a Argentina em busca do título da Conmebol Sul-Americana, o São Paulo levará na bagagem a esperança em seu homem-gol para ser campeão. Ídolo para os tricolores.

E já foram 21 vezes nesta temporada que os torcedores cantaram ‘toca no Calleri que é gol’ para o atacante, artilheiro da equipe em 2022.

Mas como essa história começou? Isso o camisa 9 do São Paulo nunca vai esquecer.

“Me lembro que foi no segundo jogo que joguei com a camisa do São Paulo, acho que foi no Pacaembu, contra o Água Santa. Foi 4 a 0, fiz dois gols, e começamos a comemorar com a música”, disse Calleri à ESPN, recordando a partida pela fase de grupos do Paulistão de 2016.

“É muito difícil que alguém cante sua música na Argentina, isso é um pouquinho do futebol brasileiro. Quando comecei a entender um como eram as músicas para os jogadores nas redes sociais, comecei a entender um pouco mais. Ainda não falava nada de português, não entendia nem quem falava, mas à medida que passou o tempo comecei a entender mais. Eu gostei da música. É algo que me representa muito aqui no São Paulo”.

A ‘febre’ pela música dedicada ao argentino não ganhou apenas as arquibancadas do Estádio do Morumbi, e chegou também aos bastidores do CCT da Barra Funda, sendo cantada também pelos companheiros do camisa 9 no São Paulo.

Essa é a prova de que, além dos torcedores, os jogadores do Tricolor contam com os gols do atacante para ajudar o São Paulo em Córdoba, onde a equipe enfrentará o Independiente del Valle, do Equador, na grande final da Sul-Americana.

“Quando fazia algum gol no treino, aí algum companheiro brinca, falando ‘toca no Calleri que é gol’. Na semana passada, o Patrick falou alguma coisa parecida e gravamos nos bastidores. É legal ter uma música que identifique o Calleri com a torcida, e sou muito grato a todos os torcedores por isso”.

Mas entre todos os apaixonados que cantam a cada gol do atacante, há um que prefere não repetir os versos que ecoam das arquibancadas do Cícero Pompeu de Toledo: próprio jogador.

Em entrevista para à ESPN, Calleri revelou que isso faz parte de uma espécie de superstição.

“Não, eu não canto sozinho (risos). É algo meu, acho que tenho azar de cantar a música, mas tomara que sejamos campeões e possa cantar a música depois disso, mas agora, vou seguir, vou tenta manter a calma, como se fala lá na Argentina, e depois que formos campeões poderemos cantar o que quiser”, afirmou o argentino.

Foto: saopaulofc.net
Por: ESPN

O que achou?

Escrito por Natália Milreu