in ,

Calleri: “Quando visto a camisa do São Paulo, parece que nasci para jogar aqui”

Calleri em jogo contra o Corinthians, (Foto: Divulgação)

Em entrevista, Calleri revelou que se sente muito feliz no São Paulo e que nasceu para jogar com a camisa do clube

Autor do gol do São Paulo na vitória por 1 a 0 no clássico contra o Corinthians, Calleri falou sobre identificação com a camisa tricolor. 

“Aqui me sinto com mais confiança do que em outros lugares. As pessoas me dão carinho desde quando cheguei, e fico com mais confiança para sempre fazer gols. Para mim, é uma frustração não ter dado certo na Europa. No primeiro ano, quando joguei no futebol inglês, senti um pouco de dificuldade na adaptação. Joguei em equipes que não me forneciam situações de gols como tenho agora no São Paulo. Quando tomei a decisão de voltar, parece que aconteceu algo mágico. Quando visto a camisa do São Paulo, parece que nasci para jogar aqui”, disse. 

LEIA MAIS
Números de Liziero vs Corinthians
Exames descartam lesão na coxa de Jonathan Calleri

E completou: “Estou muito contente com a vitória, o São Paulo necessitava de uma vitória assim, em um clássico, depois de seis empates consecutivos. Entendemos muito bem o momento da partida. O Benítez fez uma boa partida no primeiro tempo, marcando Cantillo. Acredito que fomos muito bem no jogo, fomos melhores e estávamos muito concentrados. Marcamos o gol, aguentamos o resultado e conseguimos vencer o clássico, que é o mais importante.”

Calleri valorizou a vitória sobre o Corinthians. Para ele, foi um resultado justo.

“Estou muito contente com a vitória, o São Paulo necessitava de uma vitória assim, em um clássico, depois de seis empates consecutivos. Entendemos muito bem o momento da partida. O Benítez fez uma boa partida no primeiro tempo, marcando Cantillo. Acredito que fomos muito bem no jogo, fomos melhores e estávamos muito concentrados. Marcamos o gol, aguentamos o resultado e conseguimos vencer o clássico, que é o mais importante.”

Foto: Divulgação
Fonte: Globoesporte.com

O que achou?

Escrito por Natália Milreu