10 centroavantes da Era Leco

Desde 2015, quando Leco assumiu a presidência, o time teve dez centroavantes e os números são péssimos

Após a saída de Diego Souza, o São Paulo agora tem Pablo e Carneiro, mas o aproveitamento em 2019 segue muito abaixo do esperado, principalmente pelo lado do uruguaio, que só tem um gol com a camisa são-paulina. #ForaLeco

Há alguns anos que o ataque são-paulino não vem funcionando tão bem como o esperado. Desde 2015, quando se deu o início da gestão Leco, já se passaram 10 jogadores nessa posição, e quando alguns iam bem, ou tiveram que ir embora por conta do encerramento do empréstimo ou foram vendidos. 

Em 2015 Leco chegou a presidência do São Paulo após a renúncia do ex-presidente Carlos Miguel Aidar e em  abril de 2017 ele venceu as eleições. Somados os dois mandatos, são quase 41 meses, o que significa um centroavante contratado a cada quatro meses.

Só em direitos econômicos, sem contar comissões, luvas e pagamentos por empréstimos, o clube já gastou mais de R$ 75 milhões.

Veja abaixo quem são os nove centroavantes da gestão Leco no Tricolor:

CALLERI 
31 jogos e 16 gols – média de 0,51 gols por jogo

De todos da lista o que mais o torcedor sente falta. Em pouco tempo de clube (seis meses) o jogador mostrou enorme carinho com o Tricolor e sempre fala que quer voltar um dia. Chegou por empréstimo no começo de 2016 e foi o principal responsável por levar o São Paulo à semifinal da Libertadores, onde foi artilheiro da competição, com 9 gols.

KIEZA
2 jogos e nenhum gol – sem gols marcados

Acho que torcedor nenhum sente falta ou lembra muito bem dele. Chegou em janeiro de 2016, perdeu um gol feito na Libertadores, ficou irritado por ficar atrás de Calleri e Alan Kardec na preferência do técnico Bauza. Em março foi para o Vitória. O São Paulo gastou R$ 4 milhões para contratá-lo, mas recuperou o investimento ao negociá-lo com o clube de Salvador.

YTALO
13 jogos e 1 gol – média de 0,07 gols por jogo

Outro que ficou esqueci pelo torcedor tricolor. Foi contratado Paulistão-2016, quando foi vice-campeão pelo Audax e fez dois gols nas quartas de final contra o São Paulo. Teve uma lesão séria, rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho direito e ficou muito tempo sem jogar, tanto que depois de recuperado, voltou para o Audax.

CHÁVEZ
35 jogos e 12 gols – média de 0,34 gols por jogo

Começou bem mas depois caiu de rendimento. Chegou por empréstimo no meio de 2016, para suprir as saídas de Calleri e Kardec. No início de 2017 ficou como a última opção atrás de Pratto e Gilberto. Deixou o clube em junho de 2017.

GILBERTO
33 jogos e 13 gols – média de 0,39 gols por jogo

Se tivesse aceitado a proposta de renovação do Tricolor, certamente estaria como titular da equipe. Em 2017, conquistou o ex-técnico Rogério Ceni no início da temporada, mas jogou pouco depois que Pratto chegou. Seu contrato terminou em dezembro e ele não quis renovar com o clube.

LUCAS PRATTO
48 jogos e 14 gols – média de 0,29 gols por jogo

Custou R$ 24 milhões, tinha raça em campo, lutava pela bola, ajudava na marcação mas na sua função mesmo não foi muito bem, pois só marcou 14 gols em 48 jogos, o que para um centroavante é pouco. No início de 2018, antes de completar um ano no São Paulo, pediu para ser negociado com o River Plate, e a diretoria, com o aval do então técnico Dorival Júnior, o vendeu. Pelo menos o Tricolor recuperou o investimento, o clube argentino pagou R$ 32,9 milhões por Pratto.

DIEGO SOUZA
61  jogos e 17 gols – média de 0,27 gols por jogo

Foi contratado como centroavante, mas não é! Era o “9 móvel” que Dorival queria para substituir Pratto, mas suas atuações foram um horror. Atualmente está no banco de reservas. Com Diego Aguirre no comando, terá de disputar posição no meio-campo, onde teve seus melhores momentos na carreira. O São Paulo pagou R$ 10 milhões por ele.

TRÉLLEZ
39 jogos e 6 gols – média de 0,15 gols por jogo

Atual titular do ataque são-paulino, custou R$ 6 milhões, mas ainda engrenou nos gols. No momento está igual Pratto, tem raça, vontade de ajudar em campo e nunca desiste da jogada, visto o gol que fez contra o São Caetano, no segundo jogo das quartas de final do Paulistão.

GONZALO CARNEIRO
25 jogos e 1 gol – média de 0,02 gols por jogo

Em 2 de abril de 2018, assinou por três anos com o São Paulo, que pagou 800 mil dólares (cerca de R$ 2,6 milhões) por 50% dos direitos do atleta que veio do Defensor Sporting-URU.A

Após alguns meses se recuperando de uma lesão no púbis, fez sua estreia em 21 de julho, entrando nos minutos finais do clássico contra o Corinthians Tem 23 anos. Seu único gol foi marcado no empate em 2×2 contra o Botafogo, no Rio de Janeiro.

PABLO
14 jogos e 4 gols – média de 0,30 gols por jogo

Atual titular do ataque são-paulino, Pablo assinou contrato com o Tricolor em 19 de dezembro de 201 e custou 6 milhões de euros (R$ 26,6 milhões) e pode ter mais 1 milhão de euros de bônus por metas cumpridas, completando os 7 milhões de euros noticiados. O jogador tem contrato até o fim de 2022.

RESULTADO GERAL DE TODOS JUNTOS: 299 jogos e 84 gols – 0,22 gols de média

#ForaLeco

Foto: Érico Leonan/saopaulofc.net

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *